13 de jul de 2009

Em um raro momento de paz, estava eu lendo um livro, um livro que julguei meio bobo de início, mas como queria algo em inglês para ler nem me importei com o conteúdo, até que eu li isso:

"I don't know, there are so many beautiful girls around you and after a while you start looking for someone who can make you laugh."

Pensei comigo "uauuu é isso mesmo!". Me identifiquei muito com a frase, pois estava justamente falando sobre isso ontem.
A beleza não é tudo!
Quem nunca se perguntou se era feio, desengonçado ou se tinha algum problema psicológico?
Às vezes nos deparamos com cenas bizarras (nossa ou de algum amigo) falando, ficando ou até mesmo tendo um relacionamento com aquele 'deus grego' (ou 'deusa', tanto faz) e de repente percebemos que aquele 'deus grego' é na realidade a futilidade em pessoa (pra não dizer coisa pior). Logo vem o pensamento "onde eu estava com a cabeça?".

Foi idealizado sei lá eu por quem ou quando, um estereótipo de pessoa de casca perfeita e com isso esquecemos do principal: o conteúdo.
Quando digo "esquecemos" entenda como 'muitas pessoas', mas não todas... E nem sempre!
Fiquei um tempo analisando as pessoas que já me relacionei, meu amigos e todas as pessoas que eu gosto... Lembrando bons e maus momentos e cheguei à conclusão de que são todos bonitos.

É aquela beleza conagiante que vem de dentro, que vem do coração, que encanta todo mundo pela inteligencia, educação, simplicidade, decicação, carinho, interesse, respeito, fidelidade, lealdade, conversa, carater etc etc etc...
E concordo 100% com a frase do livro, a gente tem alguém dentro dos padrões de beleza ao lado mas na realidade quer aquela pessoa "comum" e "normal" que sabe te fazer sorrir. E graças a Deus aprendi que esse povo lindo por fora e vazio por dentro não me alegra, não me faz sorrir, não me diverte...

Lembro-me dos meus amores...
Das minhas dores...

As melhores lembranças são das pessoas mais lindas que conheci: as de bom coração
E depois de todo o meu discurso ontem sobre o meu conceito de bonito e feio ainda fui obrigada a ler: "sempre achei tu meio estranha"
Posso com uma coisa dessas?

Um comentário:

Thiago disse...

tah tah tah!!
fui eu!!!
deixa eu me defender!!!

do mesmo jeito que comecei o assunto o terminei de forma estranha, por incrível que pareça os ciclos tem fins.
não digo que tudo tenha um fim, mas tudo são formado de pequenos ciclos que terminam, terminar com "sempre achei tu meio estranha" ou com "não acredito que tu pensa assim... te amo" não tem mínima diferença.
A filosofia do momento acabou quando o consenso foi aceito.
Prefiro curtir o lado engraçado do fim e desfrutar das coisas que o meio me trouxe, do que colocar ma exclamação após o ponto.