30 de mar de 2012



não há ser que consiga desvendar o sentido das coisas aqui dentro de mim. impossível afirmar que 'isso é isso e aquilo é aquilo', e que será sempre assim. os sistemas são imperfeitos e não há palavras que definam o problema ou desfaçam as eternas dúvidas. e nem porque as eternas dúvidas são eternas em segundos, nem porque duram nada. nem filósofos, nem livros, nem idéias ou teorias conseguem nos dizer o que é esse nada, esse tudo, esse vazio que apodera às vezes. esse sentimento de sentir o que é nos lançado ao colo sem pestanejar, questionar ou gostar.

alguns prazeres são gratuitos... os sorrisos, o mar, o sol, as flores dos bairros, as belezas do mundo, os abraços apertados. e isso nos serve de alguma coisa se não para nos fazermos mais suaves? essas coisas não importam em absoluto, apenas aceitemos o espetáculo do movimento dos dias insanos que passam voando. paremos.

as minhas teorias tem a potência da ficcção, tudo em prol da minha necessidade de dar ordem ao mundo, fantasias de crianças e homens sérios. a realidade transborda pelas janelas e com o tempo os conceitos se revelam enganosos. sentimos. da intuição à explicação. as coisas não fazem sentido.

é trágico a loucura e o desespero que aqui residem. mas reside também a força que empurra, que faz marchar de encontro ao paraíso, que faz o sangue ferver nas veias com sede de realizações, a força que me faz gritar aos leigos palavras doces de satisfação. da força que faz levantar.

tudo se move se move se move se move e continua movendo, meio sem rumo. o que importa é o caminho de cada um, seja real ou ilusório. não podemos buscar a lucidez. "lúcido o homem não marcha".




23 de mar de 2012




o meu maior defeito sempre foi pensar mais nos outros do que em mim. aos meus olhos isso é péssimo. aos  olhos dos beneficiados, é normal. mas tem dias que eu me revolto e resolvo fazer o que é bom para mim. só para mim e ponto final. e tenho dito. e não me questionem. é nesse momento que me transformo na bruxa da vez.






21 de mar de 2012


há marcas que nos definem e que estão espalhadas por todas as partes. marcas amargas, cicatrizes doloridas e sofridas que nos remetem a algo ruim, ou um fardo retirado. as cicatrizes de uma infância travessa ou de uma adolescência conturbada.


as marcas de furos pelo corpo, piercings abandonados com o passar dos anos, os buracos abertos tentando fechar sem êxito. tatuagens mal desenhadas, desbotadas, com desenhos sem sentido feitas em um surto de rebeldia. desenhos que estampam partes do corpo onde queríamos ter algo diferente, ou simplesmente nada.  ou desenhos absolutamente perfeitos que mostram a coragem de ser o que é.

as marcas de biquine de quem não vive sem sol, de calor - humano ou não - aquela cor do pecado sendo realçada algumas vezes por ano, por prazer ou vaidade. aquelas marcas que nunca somem, que nunca se perdem, que nunca empalidessem ou perdem a graça. 

marcas inconscientes. de amores vividos, ressentimentos omitidos e feridas abertas a céu aberto. o vento forte que abre mais o burado descoberto, de marcas ardidas que não se quer sentir. as marcas amorosas bem aproveitadas, as músicas e cores que marcam uma época. os cortes das saias que contam um pouco do poder feminino, as marcas amarrotadas das roupas do amantes, as marcas de uma guerra de cores no branco, as marcas de caneta borrada em um diário velho abandonado e as marcas de tomate em uma parede limpa na tentativa de um jantar romântico.

as marcas de uma noite mal dormida, de uma noite não dormida ou de anos que se passaram rápido demais. as marcas da idade. as que fizeram história e as que ainda fazem. as marcas para contar.

marcas de vinho no tapete, os arranhões nas costas, nas coxas, nos braços, fazendo juz à intensidade de seja lá o que for. as marcas de uma freiada, uma direção desnorteada de um corpo, mente ou alma. 

dessas marcas que aparecem todos os dias... algumas - com sorte - nunca serão esquecidas. 
as tuas... tempo.

17 de mar de 2012




sonhei que estava comendo um maracujá
já não lembro quando foi a última vez que comi
fiquei olhando aquelas bolinhas sem parar
e senti o sabor exatamente como era... 



14 de mar de 2012


existem muitos anjos em minha vida. e alguns deles nem sabem que são meus protetores.
esses me dão força na hora certa, quando menos acredito que há solução. eles veem potencial onde eu já não via. pegam na minha mão sem eu pedir e sem perguntar de podem ou se devem, me empurram para os braços da vitória.
com um simples sorriso me arrancam toda tristeza e fazem aflorar aqui dentro a felicidade que estava escondida em um cantinho seco e escuro. me fazem resgatar a vontade de viver mais e melhor, e para sempre.

13 de mar de 2012

eu não costumo muito falar sobre o meu trabalho (um fast-food de frango frito), uma vez que não gosto muito dele. mas acho que tem coisas que vale a pena  dividir, por exemplo...

tem um cliente que sempre vai lá e fala exatamente a mesma coisa:
- que sorriso bonito. de onde você é?
- brasil
- ahhhh braziiiiillllll. bom dia!
segue o baile, ele faz o pedido e no final larga o clássico 'obrigado'.
ele é muito simpático, mas será que ele não lembra que já me perguntou isso mil vezes ou ele tem um probleminha de memória? vai saber né.

tem uma senhorinha que compra sempre a mesma coisa e me pede zilhões de combinações que não existe... eu que sou bem cara de pau faço tudo o que ela me pede, e ela sempre muito sorridente, só vai no meu caixa. semana passada me deixou de presente um pacote de chocolate de páscoa. (sim, já estamos falando em páscoa há tempos aqui). achei muito fofo da parte dela.

tem também um grupinho de crianças chatas que sempre perguntam coisas absurdas do tipo, quantas calorias tem cada alimento. tipo assim, cada alimento mesmo, coisa por coisa. eu não sei nada disso né e achava um saco ficar respondendo. agora mudaram o cardápio e colocaram as calorias no menu, bem grande para todo mundo ver. pronto, as crianças nunca mais apareceram lá. para a alegria dos mortais trabalhadores.

mas isso tudo é normal demais... tem aquele doido que vai lá todo santo dia, me enche de pergunta (perguntas que ele já sabe a resposta) e não pede nada além do usual. tem o cara de pau que pergunta o preço de tudo e não leva nada; o que reclama sem parar, compra e sai reclamando mais ainda.

tem o cara que da porta já da pra sentir o fedor do perfume, sim fedor, porque ele usa demais. tem o cara do bigode rosa - eu disse r.o.s.a! o cara do celular dourado com pedrinhas rosas. (agora pense na decepção das meninas né, porque ele é lindo demais, e mais mulher do que eu). tem a mulherada que paga a conta, tem as crianças que escalam o balcão, tem os abusadinhos que dão uma cantadinha sem graça para ver se conseguem algo de graça e tem os legais, que ficam horas batendo papo e a fila crescendo atrás deles.

e eu acho que a coisa mais bizarra que já vi por lá (tá, talvez menos bizarra que o cara do bigode rosa) foi uma menina de metro e meio, de uns 100kg, moletom laranja, algumas unhas postiças azuis, outras unhas roídas, cabelo escabelado, extremamente maquiada, de cílios postiços (dos mais bregas com pedrinhas) e pior do que ser brega, era mal colocado. um batom rosa choquíssimo e... e... e?? com um crachá enorme dizendo "fulana de tal, demonstradora" em uma feira de beleza.

com isso, calo-me.

8 de mar de 2012

sexo frágil é coisa do passado!

tem que ser muito forte para trabalhar, ter filhos, cuidar da casa, da saúde, do corpo, da mente, do namorado/marido, família, faculdade, das unhas, fazer o mercado da semana, cozinhar...
conseguir sorrir mesmo estando de tpm, dar bom dia ao invés de um "vai a m***", aguentar as cantadinhas sem graça, as piadinhas machistas, os bêbados nas festas, a celulite que nunca nos abandona, a gordurinha que aparece sempre  no verão e a resistir a uma boa fatia de bolo de chocolate.


para nós mulheres, um parabéns gigante
pela evolução, reconhecimento e conquista de espaço.
porque ser Mulher com M maiúsculo não é para qualquer um.




6 de mar de 2012

da coragem:
o desejo de sair de casa, viajar, desvendar o mundo - não sei porque - é uma coisa que sempre esteve grudada em mim e essa vontade concretiza-se com a vinda para a irlanda.
ter coragem de sair de casa é fácil.
cair no mundo louco que temos é fácil.
a imaginação vai sempre além da realidade, enxergando pessoas maravilhosas, céu azul, muito dinheiro e pouco trabalho, passeios e sonhos vividos de olhos abertos.
a teoria é linda e muitas dessas coisas acontecem de fato. pessoas maravilhosas que cruzam nosso caminho por um dia e permanecem na memória para sempre; amigos na alegria e na tristeza,viagens melhores do que o imaginado e um mundo de novidades que nem nos melhores sonhos poderíamos crer.

da força:
força, do popular 'paciência' e sangue de barata.
e quem nunca precisou de força para correr da frente do gerente antes de mandar ele para aquele lugar nem um pouco santo? força para aguentar a chuva e o minuano de cada dia, os mau educados, recalcados, folgados e desaforados...
força para não chorar, para não gritar, fugir.
fugir de si mesmo às vezes.
porque aos poucos a beleza da europa de desconstrói em nacionalidades, centavos de euro e solidão.

do maracujá:
é... só com muito suco de maracujá para aguentar.

3 de mar de 2012

- eu não tinha percebido que eu gostava tanto de pipoca...
- eu tinha percebido
- o que?
- que tu gosta muito de pipoca.




e eu nem fazia ideia mesmo.
só notei isso quando vi que um pacote para dividir não é suficiente;
e que um dos primeiros itens da lista do mercado é ela,
e que chimarrão vem acompanhado, dela.
e que mesmo estando satisfeito de comida, bem alimentado... ela é que nem sobremesa, sempre sobre um espacinho.