30 de dez de 2010

eu, eu mesmo, rosa e rosa cristiane


deveria reclamar com minha mãe que me colocou o nome de rosa cristiane
não que seja feio, muito pelo contrário, adoro! mas dá muita dor de cabeça.
primeiro porque rosa é o mesmo nome dela, então quando ligavam lá para casa de algum lugar onde não me conheciam perguntavam pela "senhora rosa", mais que depressa minha mãe respondia "é ela"... pronto, estava feita a confusão.
segundo, porque as pessoas tem problema com o nome cristiane... sai de tudo: cristine, cristina, cristiana, até crislaine já ouvi...
aqui na terra verde não é muito diferente... as pessoas não sabem falar cristiane! o mais parecido que conseguem é cresteana, mas segue o baile.
depois de tanto repetir meu nome em vão passei a usar o nome rosa. beleza, esse é fácil e todo mundo sabe falar, seremos felizes para sempre... oops, nem sempre!
esses dias minha flatmate polonesa estava querendo ser simpática e mostrar para minha mãe que ela já aprendeu algumas frases em português, foi quando ela falou no skype: "rosa é preguiçosa"... minha mãe deve ter pensado: "como assim, sou super dinâmica".

29 de dez de 2010

não sei porque motivo, mas às vezes lembramos de pessoas que não falamos há muito tempo em um momento cotidiano ridículo. hoje estava lendo um livro no trem e lembrei do A. (que vou preservar o nome para não elevar muito o ego desse cidadão).
A. é um irlandês que conheci um ano atrás, e sem mais delongas, me limito a dizer que A. ganhou um "a" no meu conceito após algumas semanas.
lembro que nos primeiros dias A. sequer me dava oi. de certo me achava estranha, ou não entendia meu inglês americanizado, ou na pior das hipóteses, me via como mais uma imigrante sem futuro colocando batata frita em um saquinho de plástico.
enfim, o tempo foi passando e A. foi se aproximando e descobrindo que temos mais em comum do que muita gente por aí, mesmo com nossos 6 anos de diferença.
ele, com seu jeito moleque, calça larga e tênis de skatista não me transmitia nada mais do que ser um típico adolescente irlandês que se deslumbra com uma lata de cerveja e uma menina bêbada de salto alto.
e eu, provavelmente era para ele uma brasileira chata com olhar desconfiado e com cara de poucos amigos.
até que veio o assunto literatura. "é isso que une o mundo" diziamos nós.
após a incrível descoberta de que eu já havia estudado o que ele estava descobrindo naquele momento foi mágico, pois passamos, desde então, a nos ver com outros olhos, com olhos de quem pensa com a alma e não apenas com a cabeça.
passamos horas, semanas, meses trocando idéias, informações, livros, poemas e tudo o que o mundo dos livros nos proporciona de encantador e percebi que por mais que ele fosse um "adolescente maluco" ele tinha por trás daqueles olhos azuis muito mais do que isso, e o mesmo da minha parte.
às vezes julgamos as pessoas sem conhecer a essência e hoje, por motivo desconhecido, a essência dele me veio à memória e uma de suas muitas frases: "não gosto de trabalhar com as mãos".

28 de dez de 2010

minhas flatmates me perguntam como eu consigo ser organizada com as coisas gerais da casa, as áreas em comum, mas tão desorganizada no meu quarto.
bem... simples explicação: o dia tem 24h, a semana 7 dias e eu tenho que me dividir entre empregos, estudos, leituras, festas, amigos e afins, cuidar de mim, falar com as pessoas do brasil, cozinhar, lavar, fazer compras... e por aí vai.
alguma coisa tinha que ficar para trás, né?!
e provavelmente quem me conhece desde sempre vai pensar "ela sempre foi desorganizada". bem, as pessoas mudam e agora eu sou semi-desorganizada, HA!
eu estou sempre limpando e arumando a sala/cozinha/banheiro... o meus trabalhos são baseados nisso em organização de brinquedos e armários... fico cansada só de pensar, então resolvo descansar e o meu quarto fica sempre para "amanhã".
mas sou apenas eu que vivo alí, meu cantinho bagunçado, porém limpo.

27 de dez de 2010


tirando porto alegre, eu não sei como é fazer compras em outras cidades, mas posso afirmar que em dublin é uma maravilha!
adoro as lojas aqui, pois não tem aquelas vendedoras chatas te seguindo em todos os cantos, nem perguntando o tempo todo se você precisa de ajuda, muito menos te olhando de cara virada se você experimenta 20 peças e não compra nada. que culpa temos se às vezes as coisas não nos caem bem por ser de uma confecção menor que o nosso corpinho sarado, em forma, enfim, corpinho.
aqui somos livres para escolher o que bem entender e se precisar, podemos perguntar sobre cores e tamanhos; as vendedoras estão ali, quietinhas (mas é como se não estivessem).
só achava meio difícil no início achar o tamanho ideal... as vezes é 6, 8, 34... geralmente experimento duas peças iguais em tamanhos diferentes, acho tudo muito diferente... coisas enormes e coisas minúsculas!
para comprar sutiã também é complicado... tamanhos com letras e números... e eu ficava olhando tudo aqui e  me perguntando "por que eu não trouxe do brasil?".
e agora, na época de liquidações, (e pense em liquidações em todas as lojas, t-o-d-a-s!) fica difícil resistir, ainda mais trabalhando no shopping.
se você não é consumista, não venha a dublin, pois provavelmente você se tornará uma!

25 de dez de 2010

A gente ficou aqui.

Meio sem rumo.

Comeremos, beberemos e daremos risadas (como sempre fazemos e faremos), e ainda assim, nosso Natal está meio incompleto.





22 de dez de 2010

por que é tão difícil encontrar o presente perfeito?
nessa época do ano é um corre-corre incrível em todas as ruas, todos os shoppings, todas as lojas... pessoas o tempo todo em busca do presente ideal para cada pessoa querida que queremos agradar.
esse ano meu número de presentes a serem comprados aumentaram de um para quatro. grande evolução em um ano não? 4 pessoas na lista de merecedores da minha preocupação e perca de sono pensando no que comprar.
enfim, na primeira tentativa que tive voltei para casa de mãos abanando, na segunda voltei com coisas para a casa e na terceira finalmente consegui achar algo bacana! confesso que era mais fácil quando eu acreditava que era o papai-noel o benfeitor.
será que todas as pessoas passam por isso ou eu, com meu signo de libra indeciso, que acho mega difícil?
muito fofo ver todos os presentes embaixo da nossa árvore de natal, mas e a pergunta que não quer calar: o que será que eu vou ganhar???
será que essas pessoas também tiveram o sono perdido pensando no que me dar e pensando se eu ia gostar ou não? talvez não. não é porque as outras pessoas são humanas que elas vão pensar como eu, certo?
por diversas vezes me perguntaram o que eu queria.. sempre tenho as mesmas respostas: um jato particular para ir e voltar do brasil sempre que quiser, um avião grandão que nunca acabe o combustível pra trazer a galera toda para passar o natal comigo, uma casa que se auto-limpe ou uma loja de sapatos.
não sei porque, mas nunca ninguém quis me dar isso...
acho que vou mandar uma carta para o papai-noel...
eu quando percebi já era tarde
os dias terminam com menos de 24h
e as pessoas andam aprisionadas em si mesmos
ninguém mais tem tempo
tempo apertado, tempo solto, tempo livre
consegue um minuto e segure o mundo
agora é a hora


não perca o tempo de vista

20 de dez de 2010

se tem uma coisa que eu sempre gostei foi natal
mas aqui o natal é diferente...
tem a questão de estar longe da família, dos amigos, longe de casa e de todas as delícias que a mãe prepara, sem contar nos 3 meses comendo panetone... mas nem é bom lembrar dessa maravilha!
mas a questão do 'diferente' esse ano está por conta da neve. está nevando bastante e faz com que aquelas bolinhas de algodão que colocávamos nas pontas dos pinheiros parecessem tão reais agora...

hoje fui fazer compras de natal, assim, não tem família, mas sempre tem uma amiga aqui, outra alí para presentearmos. acabou que a lista cresceu.
mas o que  n-u-n-c-a  tinha acontecido: voltei sem presente para as amigas, sem presente para mim, mas comprei milhares de presentes para a casa. sim, para a casa: enfeites, almofadas, velas, mais bolinhas para o pinheiro, as luzes, os papéis de presente (sim, eu ainda comprarei os presentes)!
acho tão legal essa coisa de todo mundo decorar as casas... não é apenas aquela coisa de pinheiro + enfeite na porta, é tudo: pinheiro, enfeite na porta, janelas, paredes, dentro, fora, mesa... acho isso incrível!
outra coisa muito interessante é a troca de cartões. e não é assim "ah, vou entregar o presente e um cartão", não! o cartão muitas vezes se torna mais importante que o presente. é o trabalho de escolher o cartão, escrever algumas singelas palavras, ir ao correio (lotadissimo diga-se de passagem) e enviar. nada disso de entregar pessoalmente como um preguiçoso.
na casa da Lis, uma das minhas chefes, tem uma estante só de cartões que ela recebeu, de vários cantos do mundo, de várias pessoas que ela conheceu e hospedou em sua casa (host family) e na creche que eu trabalho está tudo absolutamente decorado com coisinhas feitas pelas crianças... desde renas até papai noel, presentes, lareiras com as botinhas penduradas, uma graça!
a agora, olhando meu pinheiro, as luzes, todos os enfeites, tomando meu chá ao pé da janela, vendo a neve cair, só digo uma coisa: perfeito!

19 de dez de 2010

venho por meio desse blog pronunciar minha indignação com relação às pessoas legais  simpáticas demais.
sabe aquela pessoa super hiper mega ultra simpática e sorridente, que te trata extremamente bem, mesmo você fazendo questão de mostrar que não é simpática com qualquer um?
pois bem, trabalho com uma pessoa assim, over nice!
mas o problema não é a pessoa ser assim, e sim ela "se fazer" assim, ou pior, se fazer assim na frente de quem importa, tipo o gerente, por exemplo. mas pelas costas tem aquela cara de fuzilamento, saindo fumaça dos ouvidos, os olhos vermelhos de raiva por algum motivo que desconhecemos, mas que não deve ser coisa boa, não mesmo...
não tenho paciência nem motivos para gostar de pessoas assim, aí faço minha típica cara de paisagem
e segue o baile...

pra quem não sabe, vai aí um relato básico de uma 'amiga' de paisagem
video

13 de dez de 2010

esse blog anda muito abandonado por motivos óbvios: natal x trabalho
mas nesse corre-corre todo eu percebi uma coisa...
eu sempre reclamei que homem não repara na gente, mulheres vaidosas que estão sempre fazendo algo para melhorar o ego dia após dia
ledo engano, eles reparam sim, mas os comentários é que são impróprios, do tipo:
"ah pintou a unha, legal... mas prefiro verde"
"ah, fica melhor de cabelo solto"
"ah, não precisa se arrumar, vamos só tomar uma cerveja..."

tipo assim, sempre reclamam de algo que não está do agrado deles e quando peço 5 minutos para me arrumar ouço um "não precisa"... ah fala sério!
quando voltei do brasil ouvi um "ta gordinha heim". tudo bem, eu realmente estava, afinal, comida da mamãe não é sempre que tenho disponível, então aproveitei o máximo possivel.
ai esse final de semana ouvi da mesma pessoa uma espécie de elogio: "ah, você perdeu a barriga, que rápido"

alô??? que raio de elogio é esse???
não sabe dizer "está linda"?
a insensibilidade masculina me dá nos nervos!

27 de nov de 2010

quem aí sabe qual é a melhor maneira de acordar
 e ficar de bom humor?

acordar com quem a gente ama?
acordar com o cheirinho do café da mamãe?
acordar cedinho para pegar o avião para aquela tão sonhada trip?
acordar, perceber que é sábado e dormir de novo?


que nada!


bom mesmo é acordar e ver tudo branquinho porque nevou durante a madrugada!

imagem vista da porta da minha casa

ano passado a neve em Dublin veio bem tímida, 
mas parece que agora ela cansou de se esconder, 
veio para iluminar os meus dias!

26 de nov de 2010

num grupo de amigas eis que um dia surge o assunto "banheiro feminino de festa"
quem aí não é morto de curiosidade para saber o que acontece lá?
pois bem, hoje vou contar um segredinho: é muito difícil fazer xixi em pé, sendo que não temos o instrumento próprio para isso!
muito anti-higiênico sentar em vasos sanitários fora de casa, certo gurias?


pois bem, então foi por isso que nós, evoluindo década após década, fomos aprimorando as técnicas de fazer xixi em pé.
até aí, tudo bem. às vezes dá uma desequilibrada conforme o nível alcoólico, cai uns pingos onde não devia mas ok, segue o baile
até que percebemos que muitas vezes o papel higiênico não fica na nossa frente, ou ao nosso lado... ele fica atrás!
gente, por que isso? quem em sã consciência e sem amor à vida faz isso com a gente?
o homem que colocou isso lá pensou nele né, afinal ele faz xixi de pé e fica de frente para o papel, sendo que ele não usa o papel!
agora nós, seres de bexiga pequena, além de fazer malabarismos para ficar em pé e não se molhar, ainda temos que nos contorcer para pegar o papel!!!
e não me peça que às 2h da manhã eu lembre de pegar o papel antes de começar o ato aliviatório pois nunca vou lembrar!!!

então, fica o protesto: papel higiênico na frente já!

24 de nov de 2010

eu não sou mulher de meio termo, 
muito menos de meias palavras
comigo é sim ou não
doce ou salgado
branco ou preto



afinal, quem aqui gosta de talvez? de azedo ou amargo? ou pior, da cor 'burro quando foge'???

não me venha com as típicas respostas "não sei", "tô na dúvida" "o que tu acha?"
a vida não admite dúvidas!
apenas respire fundo, feche os olhos, sinta...
seja lá o que você sentiu, mas esse é o certo
pode não ser o certo para os outros, mas é para você
e a opinião alheia pouco importa
o que importa é você fazer o que se sente bem,
se sentir leve e com a missão cumprida
tente não magoar ninguém, mas às vezes é inevitável
tente não se explicar, isso às vezes só piora
tente não pensar muito, vá lá e faça

saia de cima do muro
não procure pelo meio termo, procure pelo concreto

23 de nov de 2010

depois da tempestade ficam-se as lágrimas
sobram apenas cacos e temos que reconstruir
(mesmo por motivos de força maior)
paz! vida nova!
não gosto do passado espalhado por todos os lados
sinto como uma história acabada
me persegue!!
parece que não quer ter fim
não tenho medo de nada, 
não questione meus medos, 
meus atos e desejos são meus... só meus.
estou aqui para viver, e isso é o que tento fazer
dia após dia
desejo apenas o presente
sou criança com novo brinquedo
e que somente agora consegui entender...
qual a moral da história??
é a essência do viver
vai saber!

17 de nov de 2010


ser forte... é difícil né quando todo mundo fica nos cobrando isso.
cobranças sempre chegam a nós de maneiras brutas, mas o que é ser forte mesmo?
é aguentar maus tratos de chefe, mau humor de cliente, chuva todos os dias, estar sempre correndo contra o relógio e sempre quebrando o cofrinho, sempre dando força aos próximos mesmo sabendo que é difícil, levar tombo e se levantar rapidinho, conseguir rir das próprias tristezas, segurar firme a saudade e não se abalar com os objetivos ainda não alcançados?
se isso é ser forte, então muitos de nós somos, afinal, quem não passa por isso? e tem aqueles que passam por coisas piores e continuam lá, de pé!
o "ser forte" depende do ponto de vista de cada um. acho que esses problemas diários são coisas tão comuns que podemos tirar de letra, desde que queiramos isso.
pra mim, ser forte é nao deixar que as pessoas de fora interfiram nas nossas vidas, é não se abalar com as maldades alheias, não se magoar com uma mentira que nos afeta, não odiarmos quem nos fez algum mau, é não guardar aquele sentimento de dor por alguém que só brincou com a gente, ou daquele chefe que simplesmente nos mandou embora do trabalho sem motivo. se forte é não guardar no peito as palavras brutas que ouvimos em alguma briga, é olhar para trás e vermos que superamos obstáculos, que estamos vivos para o que der e vier. ser forte é muito mais do que mostrar aos outros o que podemos, é mostrarmos para nós mesmos que podemos e fazemos por onde. é estarmos em paz dia após dia, é pular as barreiras e sorrir mesmo querendo chorar, é perdoar!
e mesmo assim, tem dias que até o mais forte do mundo desmorona... e aí quando isso acontece vem as cobranças: "achei que tu fosse forte"...
poxa, as pessoas nunca estão satisfeitas com quem você é.
lágrimas nem sempre são sinônimo de fraqueza! às vezes é sinal de desabafo, um desabafo silencioso que a maioria das pessoas não compreende e vem perguntar: "o que aconteceu?" e ai esse 'fraco' diz que não foi nada, que só está respirando fundo...
quem perguntou entendeu alguma coisa? provavelmente não, pois esse é o real fraco, o que nada vê, nada sente e nada compreende.

13 de nov de 2010

eu achei que nunca ia dizer isso, mas eu estou detestando ter descontos nas lojas!
desconto para estudantes, desconto para quem trabalha no shopping, desconto para quem trabalha na loja x, desconto para aposentados, descontos para quem tem cachorro amarelo...
isso não faz a gente economizar e sim gastar mais!
em um único dia pode-se ter desconto na loja de sapatos -25%, na loja de roupas -20%, na loja de bolsas -10% e para saideira, desconto na pizza hut -50% (sim metade do preço!).
e vem me dizer que estou economizando?
era para comprar apenas uma coisa, aí sobrou de um lado, coloca mais umas moedas em cima e gasta-se por outro.
propaganda enganosa essa de descontos heim!

9 de nov de 2010

meus olhos tiram fotos


fotos de imagens
que as câmeras nao conseguem captar.
esse é meu lugar preferido em Dublin,
onde antes tinha flores, agora folhas...
sigo esperando a neve.

7 de nov de 2010

ainda bem que acabou o halloween e junto com ele, todas aquelas decorações de péssimo gosto,
 aquelas cheias de aranhas pernudas e peludas que eu via por todos os lados!
um fantasminha, uma abóbora com cara de mal, um vampirinho e até as bruxinhas são bem fofas, 
mas qual a conexão com aranhas? isso deveria ser proibido!
teve um dia que não consegui trabalhar direito, todos os cantos tinha alguma bendita a me assustar.


ainda bem que agora as decorações foram trocadas por ursos polares, renas, 
pinheirinhos, flocos de neve e papais-noéis.
que venha o natal!

6 de nov de 2010

tenho que confessar que cozinhar é arte para poucos.
coisa mais complicada ficar misturando ingredientes e fazer aquilo tudo se transformar em algo que as pessoas gostem, e mais difícil ainda, fazer elas repetirem!
eu, por muito tempo relutei em cozinhar, sempre com a mesma desculpa "eu não sei cozinhar".


agora chega, sei cozinhar sim! e muito bem!
tenho me dedicado praticamente todos os dias, preparando delicias para mim mesmo, afinal, o povo aqui de casa não come as mesmas coisas que eu, ou vice-versa.
confesso que aprendi a gostar disso, de ficar ali colocando 'amor' e misturando tudo com uma paciência que só agora eu descobri ter.
claro, não faço pratos mega elaborados, mas sim o que me agrada o paladar. comida simples, caseira e com um toque cristiane que só eu sei dar.
e quem quiser conferir, é só chegar o flat 9 (com aviso prévio obviamente) pra provar uma de minhas especialidades.

1 de nov de 2010

1 ano de irlanda, a ilha verde, casa do leprechaun...


o que poderia eu falar desse um ano???


- que a primeira pint me custou chorosos 5,70 euros;
- que cheguei completamente perdida, com um inglês bem tosco (que eu acreditava saber). 
- que perdi entrevistas de emprego por não entender o endereço ao telefone, ou por ir no local errado, ou pior, conseguir chegar no lugar e não entender as perguntas;
- que se perder nem sempre é ruim, sempre descobri um lugar bacana para passear;
- que ficar comendo bagete do londis sentada num banco qualquer olhando o movimento é gostoso, e que comer um bolinho inglês molhado escorada em um ponto de ônibus é pra brasileiro;
- que consegui o primeiro emprego e fui comemorar com vinho, coisa que não deu muito certo;
- que meu primeiro salário foi 55 euros em uma semana que eu tinha apenas 1,98 na conta bancária;
- que oktoberfest é para os fortes;
- que a aula era muito legal mas só no início;
- que aniversário não é ficar velho, mas tornar-se descobridor de aventuras;
- que halloween é coisa de irlandês;
- que no natal trabalhei feito um burro de carga e as coisas melhoraram;
- que natal e reveillon (pra contrariar as pragas do diego dama) foram maravilhosos!
- que em fevereiro/março/abril tudo estava um caos na minha vida, me sentindo sozinha, com pouca grana, trabalhando pouco e com problemas no apartamento;
- que o arco-íris de dublin é o mais lindo de todos;
- que muitas pessoas vieram e muitas foram embora. muitas ainda permanecem nas lembranças;
- que as amizades se renovam;
- que as festas são fortes, mas curtas;
- que pagar 2 euros na pint não é sonho;
- que receber amigos queridos na "minha cidade" é sensacional;
- que neve, mesmo em pequena quantidade, é incrível (e gelada), e mesmo assim dá pra fazer boas bolinhas e jogar nos amigos;
- que irlanda não é só dublin, e que tudo é como nos filmes;
- que chorar quando os amigos vão embora é bom, sinal de que os amo, e vice-versa;
- que as house parties são de dar medo;
- que tomar chima sozinha não tem graça (mas mesmo assim insisto);
- que viajar é algo que apazigua a alma;
- que as festas brasileiras não tem a mesma graça no brasil;
- que tomar uma ceva no canal, as 22h e ainda ter sol alto é inacreditavelmente mágico;
- que amar é inevitável;
- que "aprendi" a detestar certas raças e que entendo porque outras são tão legais;
- que aprendi a cozinhar, que aprendi a beber (ou não) e que melhor ainda, o inglês melhorou!
- que tive algumas tentativas frustradas e que consegui coisas que nem imaginava poder um dia;
- que dublin é meu lar, não há como negar!






aqui vivenciei (e vivenciarei muito mais) coisas inesquecíveis.


video
ps: completei 1 ano um mês atrás!
.
.
.
gosto muito dos fofoqueiros comentadores!
eles fazem com que a vida dos comentados
 seja bem mais interessante 
do que realmente é.
.
.
.
se eu tivesse um canudinho, eu chupava você, pra dentro do meu mundinho, pra comigo viver... pra comigo viver...



opa! meu mundinho nada! meu mundo é meu, só meu, todo meu!
é... assim mesmo, do tipinho bem egoísta! (a menos que você queira muito muito fazer parte dele)
a gente sempre insiste em querer trazer as pessoas para o nosso mundo, mostrar coisas diferentes e na maioria das vezes isso é em vão. de tudo que já vivi, de tudo que dividi e de tudo que eu tentei ensinar, percebo que poucas coisas foram absorvidas pelos demais.
algumas pessoas parecem não ter sentimentos, parecem não se emocionar com as coisas bacanas à volta, com os fatos inusitados e com as atrapalhadas do dia-a-dia. é como se tudo fosse a mesma coisa, choro/riso/dor/alegria. que coisa mais sem graça!!!
ultimamente tenho ficado mais calada e escutado mais. e vou te dizer, é assustador!
como me disse semana passada minha irish mother "algumas pessoas guardam suas coisas em gavetas, simplesmente abrem uma, jogam você lá dentro e agem como se nada tivesse acontecido, como se aquele dia tão especial fosse mais um dia banal, como se tua alegria não significasse nada e como se aquele amor tão grande amor nunca tivesse existido."
quando ela me disse isso, pensei que "ah, não significa que por que uma pessoa me jogou na gaveta todas sejam assim", ai ai ai cristiane veiga, grande ilusão a sua!
continuando no lance de ouvir, descobri que as pessoas são assim mesmo, com gavetas. por isso não sofrem, sabem administrar muito bem as coisas, jogam tudo lá dentro e já era.
e eu... eu realmente não sou desse mundo pois, mesmo eu tentando jogar tudo nas gavetas, sempre dou uma espiadinha pra ver se tá tudo bem.

pois bem, as gavetas do meu mundo estarão sempre abertas, mas não convidarei ninguém.

27 de out de 2010



where are you from?


acho que essa é uma das frases mais ouvidas/ditas por aqui.
nas festas, geralmente escutávamos um "qual o teu nome?" e aqui tu podes passar a noite toda dançando, bebendo ou conversando, pouco importa teu nome; provavelmente quem perguntar vai esquecer conforme o nível alcoólico, mas vai sempre lembrar de onde você é!
é uma pergunta automática: de onde você é? tão simples e é ponte para uma conversa (ou não).
e quando não podemos perguntar mas morremos de curiosidade de saber de onde fulano/a é? aíiii que droga saco não conseguir identificar a nacionalidade de algumas pessoas.
eu confundo muito, pra mim maurício e indiano é a mesma coisa, assim como japonês/chinês/coreano (que eles não leiam isso, pois sentem-se ofendidíssimos). e até entendo a ofensa, afinal, que brasileiro gostaria de ser confundido com argentino? 
os espanhóis, mais precisamente as espanholas, é muito fácil identificar: se não pelos lenços altamente coloridos e os cabelo a la vontè. algumas estão camufladas, mas fácil identificar pela língua.
e os brasileiros, óbvio, identificamos até parados de boca fechada! incrível...
aí sai um where are you from só pra confirmar o que já é sabido.

25 de out de 2010



outono, frio, segunda-feira..
é feriado de alguma coisa
e eu o que tenho a fazer?
tomar um vinho e abraçar o infinito




24 de out de 2010

chocolate matinal
 muito café pra acordar
óculos escuro pra encobrir a cara amassada




isso resume o domingo!

22 de out de 2010


dizem que a primeira vez não se esquece...
acho que a primeira multa também não esquecerei!
noite memorável, excelente cia e um belo banho de cerveja!
banho esse totalmente desnecessário, mas tudo bem. desculparemos os bêbados pois eles não sabem o que fazem.
vamos colocar que foi por isso que pisei fundo no acelerador e literalmente voei as tranças para casa!
foi mal aí cláudio, na próxima compra um carro 1.0 ok?

21 de out de 2010

essas férias, além de uns quilos a mais e um fígado meio danificado, me trouxeram de volta a alegria da leitura.
ganhei muitos livros de presente, assim como também peguei alguns emprestados.
confesso ter deixados uns pares de sapatos para trás para poder trazer essas belezuras. mas o problema maior não foi esse e sim a dúvida cruel "qual livro ler primeiro?".
olhei olhei e me decidi por "100 dias entre céu e mar" de Amyr Klink.
sempre quis ler algo dele, por saber de suas viagens e por ser fã de várias frases de impacto que ele escreveu.
mas aí veio a decepção... percebi que lia uma página e olhava à minha volta para ver se algo emocionante acontecia... claro, estava achando aquela história um téeeeeeeeedio infinito! resolvi ler uma revista de fofoca mesmo.
uns dois dias sem ler estava eu conversando com quem me emprestou o livro e começamos a opinar sobre tal. incrível!!! opiniões completamente diferentes.
pra mim não era mais que um emaranhado de latitude e longitude sem fim e para ele, um empurrão para a libertação de seus sonhos.
resolvi dar mais uma chance ao livro, respirei fundo e decidi viajar com Amyr.

"Navegar é um ato de paciência, e existem decisões que só devem ser tomadas na hora certa. (...) Ao se encaminhar para um objetivo, sobretudo um grande e distante objetivo, as menores coisas se tornam fundamentais. (...) Senti que estava cumprindo uma obra de paciência e disciplina. E percebi como é simples conseguir isso. Nada de sacrifícios extremos ou esforços impossíveis. Nada de grandes sofrimentos. ao contrário, bastava apenas o simples, minúsculo e indolor esforço de decidir."

foi então que eu decidi ler até o final.

20 de out de 2010

não basta ser amiga, tem que ajudar a arrumar as malas!


entre muitas alegrias e algumas discussões, o amor venceu!
entre tantas histórias, festas, passeios, chimarrão e comilanças, é quando vamos embora que percebemos quem nos ama de verdade.
é difícil a gente aceitar que quem amamos vá embora, e mesmo com lágrima nos olhos, meus amigos me deixaram livre para voar e um dia voltar, se eu quiser.
me deram o livre arbitrio de ser feliz onde quer que seja minha vontade e deixaram bem claro que estarão me esperando sempre (ou que virão me visitar se a saudade apertar demais).
abro os olhos como um bebê recém vindo ao mundo, querendo conhecer as flores e os espinhos com olhos inocentes e aprender a cada passo. cair, levantar, rir e chorar.
e o mais importante, sempre receber o abraço de quem eu mais amo, minha família - amigos.

"Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas as coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende? dolorido-dolorido, estou repetindo devagar para que você possa compreender melhor"


Eu e o Caio F. entendemos, mas e você?

19 de out de 2010

uma nostalgia sem tamanho e sem saber explicar como.
após maravilhosas férias no brasil me deparei chegando na grafton street, uma das minhas preferidas aqui em dublin
preferidas pelo clima, pelo movimento, pelas lojas, pelos artistas de rua que me fazem sentir em porto alegre
e quando coloquei o pé lá larguei um "que saudade que eu estava disso tudo" e foi sem pensar, apenas saiu, em voz alta para quem quisesse ouvir e para quem pudesse entender
essa é uma fase nova, diferente de qualquer coisa que eu já tenha vivido
com objetivos diferentes, amigos e tudo mais, tudo novo
e acho isso bom a partir do momento que penso pra frente e compreendo (além de aceitar) que estou em uma fase muito diferente da maioria das pessoas que eu conheço
e que acredito que a pessoa que mais preciso é eu mesma,
preciso de força e coragem para ir em frente
triste daqueles que no último segundo se perguntam se estão fazendo certo ou não
o certo ou errado só saberemos se tentar
e eu vou, mais uma vez... até o dia que achar que deu certo.

18 de out de 2010

o bom filho a casa torna...
o problema é que não sei se fui boa filha quando volei para casa no brasil ou se sou boa agora que voltei para a casa de dublin. acho que perdi um pouco da noção do que é "casa"...
3 semanas atráz eu dizia que estava indo para casa, mas agora eu disse o mesmo
afinal, qual delas é minha casa realmente?
e as coisas que deixei lá, deixei em "casa" ou simplesmente desapeguei e deixei para trás?

difícil mensurar a grandesa das coisas, a importância de cada lugar na minha vida
mais difícil ainda é tentar explicar com palavras esse sentimnento de querer vir, mesmo querendo ficar.
chorar de alegria e tristeza ao mesmo tempo. sem identificar qual sentimento é mais forte,
abrindo mão de algumas pessoas e coisas para correr atrás de um objetivo que nem sei se será alcançado.

escolhas e renúncias, uma coisa que nunca vou entender e nem conseguir expor

30 de set de 2010

como é bom estar em casa
sair para almoçar com a mãe
entrar no salão linda e sair deslumbrante
cabelos e unhas da moda
e não se preocupar em lavar a louça por 24 dias

que vida fácil!

28 de set de 2010


dizem que quem tira os dentes sisos perde o juízo
pois hoje confesso que me tornei desajuizada,
sem os dois últimos suplicios, digo, dentes siso
que venha a fada do dente e me deixe muito dinheiro
seja lá em euros ou reais
o importante é que seja bastante
afinal eles eram enormes, assustanto até mesmo a dentista
e me apego de que o desjuízo será proporcional
e além do sofrimento, tem que me render algo de bom
nem que seja um sorriso sem dores e pontos

Brasil, finalmente!


Quem diria que três meses passariam tão rápido. Trabalhando o tempo todo, economizando para renovar visto e agora cá estou, em casa, curtindo colo de mamãe e o carinho de todos os amigos.

Comecei a procurar coisas diferentes por aqui, na minha amada Porto Alegre, e veio a (meia)decepção... Nada diferente! As lojas, os restaurantes, as casas noturnas, tudo lá, no mesmo lugar, como deixei... As avenidas, os mesmos buracos, o mesmo caos. Claro, não vou chutar o balde e generalizar, mas pouca coisa mudou, menos ainda para melhor.

Esse é ano de eleição e o que vejo elas ruas é sujeira, poluição visual... Tudo para influenciar as pessoas com propostas incríveis que o povo não pensa que é quase impossível de se concretizar.

O foco das propagandas políticas já não é mais expor as coisas boas que poderíam ser feitas, mas sim as coisas ruins que fulano de tal fez.

Lembro que quando eu era criança, há muito tempo atrás...(tá, nem tanto tempo ssim rsrsrs) os candidatos não ficavam atacando os concorrentes. Naquela época a preocupação maior era cada um mostrar seu potencial e não destruir o outro com calúnias (ou verdades).

Já tenho meus candidatos, que nem vou mencionar, pois, não é a intenção fazer apologia a ninguém, também não sei se fiz a escolha certa. Só sei que, essas primeiras impressões me fazem ficar na dúvida e ter dois coração com relação a voltar a morar aqui.

Minha cidade linda que tanto amo não evoluiu e agora ando mais insegura do que nunca nas ruas ou de carro. Dois corações, muitas alegrias e muito suor virá independente da decisão. Mas por ora é férias, então vamos aproveitar 'morar' por aqui, mesmo que por três semanas.

22 de set de 2010

se o coração foi ferido, sem pânico, para isso existe band-aid!

para que tanto alarde né, afinal, pra tudo na vida tem conserto.
não há porque criar uma tempestade em copo d'água, tudo é uma questão de ponto de vista. e o meu, óbvio, é sempre diferente
não que eu queira ser do contra (ou que goste), mas é da minha natureza ser assim.
acho uma grande bobagem dizer que as pessoas tem defeitos
elas não tem defeitos não... nós é que somos burros o suficiente para esperar que elas façam o que gostaríamos que fizessem.
nós é que esperamos que todos sejam como nós, mesmo gostos, mesmas habilidades e mesma (im)paciência .

esperar, esperar e esperar... essa é (além de lei da vida) a pior coisa do mundo!

a gente vive esperando uma resposta, uma atitude, um gesto de amor, uma palavra de conforto e isso é tudo coisa da nossa cabeça.
não há porque esperar isso de alguém, a pessoa não fará nada disso, a não ser que seja pai, mãe ou amigo/irmão!
por isso, sigamos cultivando as amizades, é o melhor a ser feito.
e por essas e outras, estou indo pra casa, onde é o meu lugar, meu recanto, meu conforto, minha paz!

20 de set de 2010


odeio materialistas!
as pessoas estão cada vez mais apegadas às coisas materiais e supérfluas ou é impressão minha?
não acredito que uma pessoa possa ter mais cuidado com seus bens do que com seus amigos e familiares.
quem nunca ouviu a frase "não mexe em nada", "cuidado pra não quebrar", "não se m-o-v-a!", "se quebrar paga"...
mas o que é isso minha gente? ninguém avisou esse povo que caixão não tem gaveta e que eles não vão levar nada junto quando morrerem?
já vi de tudo, gente que não empresta nada, gente que só junta grana mas não gasta, gente que compra muitas roupas e sapatos mas não usa para não "gastar", gente que pede emprestado para não correr o risco de estragar suas próprias coisas usando... aff

faça-me o favor né!

essas pessoas acham muito bom quando eu/você emprestamos algo, porque sempre dizemos sim, afinal, não somos egoístas... mas quando a gente pede algo, é um drama, mil e uma recomendações e bla bla bla mesmo sendo um simples dvd pirata que você vai assistir e devolver em duas horas.
parece que tudo é baseado em dinheiro. o mundo é muito mais que isso
de que adianta ter grana, objetos de valor, tecnologia de última geração se não é para desfrutar de maneira saudável e sim tornando-se avarento?
espero que essas pessoas sejam felizes abraçando seus computadores, conversando com seus joguinhos eletrônicos ou batendo um papo com o carrão do ano... porque com certeza esses serão os únicos amigos desses seres solitários.

19 de set de 2010

arrumar mala é sempre bom, sinal de quem uma viagem vem por aí...
o problema é quando vou viajar para longe e por um longo tempo
percebi agora que TODAS as minhas roupas estão sujas...
começo a maratona hoje: lavar, secar e arrumar tudo
e o casamento??? tenho que comprar vestido, sapato, bolsa...
(não, ainda não é o meu casamento)

será que dou conta de tudo até quinta?

17 de set de 2010

às 9h acorda, meio cansada, meio de ressaca (mesmo não tendo bebido nada), toma café e vai trabalhar (isso quando não acorda atrasadérrima, só joga um iogurte na bolsa e sai correndo).
trabalha trabalha e trabalha e se estressa com a gerente insuportável e sai do trabalho frustrada querendo nunca mais voltar.
sai correndo e vai para o outro trabalho. no meio do caminho o ônibus quebra (sim, quem disse que os ônibus da europa são perfeitos está enganado) aí começa a chover, afinal se não chover não é dublin. chega no segundo emprego ensopada literalmente, aí 5 minutos depois abre um sol coisa mais linda saco
enfim, trabalha, trabalha e sai correndo de novo. passa no mercado e finalmente chega em casa
opa, "hora de descansar" pensa ela... que nada!
lava roupa, faz janta, arruma as coisas para o dia seguinte, pensa em arrumar as malas afinal falta pouco tempo para a viagem e muito trabalho pela frente
vê o computador, pensa em escrever algo que preste mas o cansaço é grande
ok, 22h da noite, acho que é a melhor hora de limpar o banheiro, afinal todos já tomaram banho, ninguém vai fazer estardalhaço lá
meia noite, bora dormir? não, tens que falar com o povo do brasil

por que ninguém me avisou que brincar de ser independente era tão cansativo?

15 de set de 2010

esses dias estava assistindo um seriado onde o gurizinho falava o tempo todo "irônico", mas o irônico era que ele não sabia o significado dessa palavra. mas falava tanto, que às vezes acertava.


irônico é meu copo preferido
veio comigo da Espanha e que,
por algum motivo especial,
ninguém pegou, ninguém viu
ele criou pernas e fugiu.



talvez tenha ido para o Brasil na minha frente


14 de set de 2010

.
.
.
é na paz do lar que o suco de laranja fica mais gostoso
especialmente com vodka
.
.
.


12 de set de 2010

não gosto quando tenho esses bloqueios criativos. estou há dias com muitas idéias e não consigo escrever. não sei se é por causa da adrenalina de chegar logo no Brasil ou se é falta de paciência mesmo...
mas, então vamos voltar à um assunto que me irrita muito e que desde que joguei ao vento que estou indo ao Brasil apenas pra férias estou carregada das mesmas duas perguntas: "tá grávida?" ou "vai casar?"

vem cá, tenho cara de parideira? tenho cara de quem sabe governar uma família?
não tenho psicológico pra isso não minha gente!

é difícil acreditar que uma mulher goste de ficar sozinha e quere conhecer o mundo sem rabicho pendurado? pois bem, estamos no século XXI e acho isso bem normal...
e querem saber por que quero continuar aqui na Irlanda??? pois bem, saciem a curiosidade: é porque eu gosto! simples assim.
gosto do meu apartamento, dos meus trabalhos (tá, nem tanto), gosto das novas amizades e das coisas novas que descubro a cada dia. gosto das oportunidades de viajar e de me deparar com situações inusitadas; gosto dessa coisa de andar com minhas próprias pernas, fazer o que acho melhor pra mim sem precisar dar satisfações. afinal, ninguém paga minhas contas, nada mais justo que eu tenha as rédeas da minha vida apenas nas minhas mãos.

acho que porque as coisas que eu exponho são apenas "futilidades" como jogar FarmVille ou ouvir musicas bregas faz com que as pessoas imaginem que estou aqui a procura de um marido, um casamento e uma estabilidade no exterior... ai, sou mais que isso.
não preciso ficar dizendo que leio fulano de tal, que fui em tal evento cultural ou que apenas tomei um porre na noite anterior para acreditarem que eu tenho planos para o futuro. tenho planos para o futuro sim, mas esses planos são meus, não preciso ficar contando para todos. e até porque, quem me conhece de verdade, além de saberem desses planos, muitas vezes estão incluídos neles.
me decepciono por ver que algumas pessoas tiram seus próprios atos como sendo meus... sendo que é bem diferente uma coisa da outra...

27 de ago de 2010

não achas que é uma ironia ter que 'comprar' um cofre para juntar dinheiro?
semana passada comprei um, bem grande, do tamanho de latas de ervilhas que os restaurantes usam
todos os dias jogo umas moedas ali
não sei quanto já juntei, mas teria pelo menos 2,50 a mais se não tivesse gastado com o cofre
isso deveria ser de graça, como incentivo à economia caseira

26 de ago de 2010

.
.
.
quem nunca teve uma banana e um energético
como café da manhã
que me traga torradinhas com geléia
e um suco de laranja bem geladinho
.
.
.

22 de ago de 2010


video




a pensar que o tempo passa e que as coisas mudam
continuo tendo medo do bicho-papão
agora não sai mais do armário ou debaixo da cama
mas da minha própria ilusão...
...de mundo












A conversa sempre começa com um "Oi tudo bem?"
Até aí, tudo dentro da normalidade. O problema é quando essa frase é dita no msn por uma pessoa que não fala comigo há muito muito muito tempo.
Em questão de segundos passa um filme na cabeça e parece que está faltando uma parte, pois não lembro quando foi a última vez que nos falamos.
Aí começa o interrogatório de "como estás?", "estudando/trabalhando/namorando?"...
A conversa fica num blábláblá interminável e eu ali esperando a pessoa perguntar o que ela realmente quer saber, pois se fica dando voltas, é porque algo há! Não venha me dizer que sentiu saudades de mim depois de tanto tempo sem contato que é difícil de acreditar.
Enfim, 10 minutos depois vem a frase "estou pensando em ir para Dublin" e dá-se início a um exaustivo bombardeio de perguntas!
Não que eu ache ruim responder, muito pelo contrário, se puder ajudar fico feliz. Mas esse interesse desnecessário das pessoas em só falar quando precisam de algo realmente me decepciona! Qual a dificuldade em manter contato de vez enquando para saber se está realmente tudo bem, se precisa de algo ou apenas para jogar conversa fora?
E no meio do pergunta-responde vem aquela clássica "já casou aí?".
P*** Não vim aqui para casar!!! E ninguém entende que algumas pessoas sonham mais alto que um casamento com gringo e um stamp 4 nas mãos.

20 de ago de 2010


Burra ou desmemoriada?

A Irlanda está me dando boas dores de cabeça, estou emburrecendo.
Muitas vezes quando vou escrever algo que não é de costume, escrevo errado. Isso é inadmissível para uma pessoa que estudou português como eu.

Ainda se percebo o erro na hora tudo bem, posso corrigir, mas e quando já apertei o enter ou cliquei no enviar???
Passar vergonha por escrever errado não dá!

18 de ago de 2010


São tantas idéias em mente para postar e tão pouco tempo livre para escrever e expressar o lado criativo que acabo esquecendo o que havia pensado, pois tenho o péssimo hábito de não rabiscar as idéias quando elas surgem.

Porém, hoje acordei com os "sapatinhos vermelhos" na cabeça... E só a palavra 'sapatos' já me instiga muito, quem dirá se vier acompanha da palavra 'vermelho'.

Lembro que alguns dias atrás estava em uma conversa facebook.com com minhas amigas quando falei "não há lugar como o nosso lar" e uma delas lembrou ser da Dorothy, que batia seu sapatinho vermelho dizendo isso.
E pensar em vermelho, lembro de "Os sapatinhos vermelhos", uma crônica de Caio Fernando abreu que sempre quis ler, mas que sempre deixei para depois e que hoje me pergunto, sobre o que é esse texto?
Tenho que assumir que a vontade de ler é pelo título, nunca pesquisei a respeito e nem vou, deixa na curiosidade, um dia lerei.

Mas continuando, essa manhã acordei quando sonhava com o que? Óbvio, sapatinhos vermelhos.
Havia ganhado sapatos vermelhos (lindos diga-se de passagem) de uma ex colega de trabalho (que nem era simpática comigo quando trabalhávamos juntas) o que fez um nó na minha cabeça.
Aí fiz a ligação de que realmente ganhei um par de sapatos vermelhos, os quais nunca usei por falta de oportunidade, afinal, a única coisa que faço é trabalhar e como trabalhar usando um salto lindo daqueles? Impossivel na minha atual situação.

Meu inconsciente sempre me dá uns quebra-cabeças divertidos. Nunca sei como analisar os fatos ou como juntar o real com o ilusório.
Assistirei o Mágico de Oz novamente, procurarei a crônica para ler e usarei os sapatos!
Está decidido!
Atualmente sou frequentadora assídua da loja HMV (http://hmv.com/hmvweb/home.do) e confesso que detesto esse lugar!
Lá tem reunidos inúmero filmes a preço de banana, livros, camisetas, cds, jogos... enfim, coisas diferentes daquela banda que meu amigo x tanto gosta, aquele livro que conta a história do fulano de tal que minha mãe gosta e os clássicos da Disney que eu tanto gosto...
Estou realmente ficando pobre tchê!

Saio do trabalho as 15h, meu ônibus passa somente as 16h, então o que fazer? A loja fica de frente pra mim o dia todo, só esperando uma visitinha básica, tocando só música boa e com um ar condicionado sempre na temperatura ideal.
Consigo às vezes perder o ônibus olhando as coisas e não sabendo o que comprar primeiro. Como sub-trabalhador não pode comprar tudo o que deseja (porque apesar de mulher consumista, ainda tenho noção das obrigações mensais de pessoa responsável com suas contas), sigo comprando aos poucos...

E tenho que admitir que a última aquisição vem me tirando o sono... Coleção do Almodóvar, 4 filmes pelo preço de um e até o momento, duas noites pouco dormidas. Agora me faltam mais dois e depois coloco o sono em ordem.

Ou não, pois a semana está acabando, o salário está entrando e a loja me chamando de novo...

17 de ago de 2010

eu costumava ser uma perfeita chocólatra
hoje percebi que mudei, nunca mais comprei uma barra, nem um bombonzinho, um palitinho, uma trufa...
nada, nada, nada...

e eu devorava-os em 2 minutos em crises de tpm
em menos de 1 minuto se estivesse com saudade de casa
e em segundos se estivesse triste...

o que se passa?
continuo com saudade, com tpm...

ah tá, a alegria supera o doce de qualquer coisa, até mesmo do chocolate...

14 de ago de 2010

o sino toca as 9h45, e às 12h resolve tocar novamente
não sei porque, mas sempre acordo com ele,
independente do horário, mas muito dependente do dia

hoje acordei as 12h achando que eram 9h45
tudo bem, dormi mais um pouco e já eram 13h

olho para o lado e vejo meu anjo, cansado
e mesmo cansado me protegendo de todo o mal
ou pesadelos que me fazem gritar no meio da noite

ao abrir a janela, vejo o sol iluminando a terra verde
como há muito tempo não iluminava
iluminou até os corações perdidos

estranho né? também achei
e já que é para ser estranho, fiz um bolo...
eu fazendo bolo???

yumii yumii, o dia estava no ponto!

12 de ago de 2010


se é difícil saber para onde vamos, quem dirá até onde podemos chegar.

nunca sabemos onde nossos passos nos levarão, mesmo achando que a escolha do caminho X é a correta
a gente vem e vai, pessoas vem e vão, e voltam e vão de novo
o importante é nunca dizer adeus e sim um até logo
logo te vejo, logo nos reencontraremos, logo marcaremos outra cervejada...
e ainda bem que eu dei um "até logo" antes de vir para cá, agora estou dando um "até logo" à Irlanda
pois sempre há uma força maior que nos faz voltar para casa
a casa que nos dá conforto, paz e alegria (mesmo sendo para férias)

Brasil, aí vou eu
43 dias...

5 de ago de 2010

como a vida nos prega peças confusas...

há 10 meses tudo era tão diferente
saí do Brasil com a idéia que aqui na Irlanda tudo ia ser maravilhoso
mas cheguei perdida, me sentindo sozinha, vulnerável às coisas ruins
aí tudo foi melhorando, e depois piorando; melhorando e piorando de novo
agora está bom, mas não é a mesma coisa, é completamente diferente
não tenho mais a rotina de aula, nem de procurar emprego
não convivo mais com as mesmas pessoas, tudo tomou um rumo imprevisto e fugiu totalmente o controle
não só o meu controle, mas também das pessoas que eram próximas
o próximo virou distante e o distante... ah, vice-versa
tudo muda todos os dias e isso dá um nó infinito na cabeça
mas a pensar em certas coisas do início, dá boas lembranças...
boas risadas e algumas coisas que ficarão para sempre no coração
ressentimentos a parte, sinto falta de muita gente
que por algum motivo maior, hoje decidi trazer de volta pra perto
afinal, o mundo gira e quem passou por mim antes, pode passar de novo...




conhecem aquela frase que diz que devemos ser como a rocha que a tudo resiste e não como o mar que tudo destrói?


pois bem, mais uma vez eu discordo (sim, sou do contra mesmo!)
não quero destruir nada, tão pouco resistir a tudo...

rochas resistem ao amor...
quero ser gaivota, livre
que convive em harmonia com rocha e mar, amando...

e a coisa que eu gosto muito é amar. amar família, amigos, rocha, mar...
só amar por amar, pra ser mais feliz e tornar os dias mais coloridos



24 de jul de 2010

esses dias me peguei superlotando meu coração com sentimentos que me trouxeram dúvidas...
mas o amor não admite dúvidas! e realmente não estou falando de relacionamentos conjugais.

oops, a página foi virada!
foi criado o mais novo e bem elaborado kit de salvamento, por mim obviamente.
e para evitar que venham citar o teor de ceticismo e frieza contida na estratégia eu apresento o outro lado da moeda, todo o histórico vivido e que me fez chegar até aí.
são algumas porções de passos em falso, convivendo com pessoas desnecessárias e algumas situações de dedicação jogadas no lixo. foram meses de tentativas, idas e vindas, falhas, (im)paciência, prazos, calmantes, choro, tempo... enfim, todo o capítulo 10, intitulado "mais uma experiência", da minha auto-biografia.
a minha doce tragédia que com muito esforço, hoje, não se cria mais aqui dentro de mim; as raízes foram arrancadas por calos muito bem desenvolvidos.
mesmo ciente da minha vulnerabilidade diante do acaso, do destino, do futuro, eu tomo a minha dose diária de prevenção quando me desprendo das expectativas de verdadeiras palavras e atos.
eu continuo a viver com paixão, no entanto com muito mais equilíbrio nessa nova composição.
eu continuo achando algumas pessoas interessantes, porém não fico mais idealizando a performance delas na minha vida.
já não perco mais tanto tempo em prol de pessoas vazias e menos ainda engulo sapos, jacarés e até os grandes dinossauros pelo receio de ser vista como uma bruxa.
eu não me tornei um ser independente do calor, da sinceridade, da amizade e de tudo aquilo que possa parecer romântico e puro, eu simplesmente parei de agir com tanta devoção aos não devotos de mim.
agora eu consigo trabalhar com a idéia de que as "coisas" podem e talvez até devam ter o seu tempo determinado. e que eu sim, preciso viver feliz pra sempre, até que a morte me separe do mundo real.
logo, não precisas desistir da idéia de tentar consertar os teus erros comigo. algumas pessoas passam a não mais fazer parte dos meus planos pois agora o relacionamento que tenho comigo mesma é algo inabalável. você precisará de muita força para me alcançar, afinal, todos dizem que sou forte. E por que não ser?
tudo começa mais de uma vez, e agora começa tudo de novo...


" A ousadia é, depois da prudência, uma condição especial da nossa felicidade." Arthur Schopenhauer

23 de jul de 2010

toda panela tem sua tampa




o problema é que as tampas se perdem na mudança...





ah... triste são as frigideiras que não possuem tampas... nem para perdê-las...

video


Tomar decisões para algumas pessoas é difícil... Para mim é muito difícil, me dá uma insegurança no depois, seja que decisão for, nunca é fácil. Ninguém sabe o que virá amanhã, é verdade, mas quem é super seguro de si e não tem medo do desconhecido? Pra sofrer basta ter sentimentos; e nem emprego é 100% garantido... Nunca se sabe quando vem o "corte de despesas". No fundo, a gente nunca sabe de nada do futuro e essa incerteza é o que mata.
Começar um namoro com alguém que você pouco conhece, ou com alguém que você conhece muito e não quer magoar/ser magoado; terminar uma relação onde você já foi muito feliz, trocar de país, fazer novos amigos, morrer de saudade da família. A gente não sabe. Por isso que a gente tem medo.
Mas mesmo tendo medo, não dá pra desistir. O certo é arriscar, tentar quantas vezes forem necessárias, uma hora dá certo.
E quanto aos conselhos fofos em e-mails longos e coloridos... Isso não adianta de nada. Opinião cada um com a sua. A minha? HÁ! Quem sou eu pra te dizer o que fazer, quando nem eu sei o que fazer com meus problemas? Posso só te dizer como funciona a minha cabeça maluca. Posso não saber o que quero, mas tenho certeza absoluta do que eu não quero. Enquanto isso, vou vivendo, aprendendo e absorvendo o que a vida nos oferece de melhor, puro e simples...