30 de dez de 2010

eu, eu mesmo, rosa e rosa cristiane


deveria reclamar com minha mãe que me colocou o nome de rosa cristiane
não que seja feio, muito pelo contrário, adoro! mas dá muita dor de cabeça.
primeiro porque rosa é o mesmo nome dela, então quando ligavam lá para casa de algum lugar onde não me conheciam perguntavam pela "senhora rosa", mais que depressa minha mãe respondia "é ela"... pronto, estava feita a confusão.
segundo, porque as pessoas tem problema com o nome cristiane... sai de tudo: cristine, cristina, cristiana, até crislaine já ouvi...
aqui na terra verde não é muito diferente... as pessoas não sabem falar cristiane! o mais parecido que conseguem é cresteana, mas segue o baile.
depois de tanto repetir meu nome em vão passei a usar o nome rosa. beleza, esse é fácil e todo mundo sabe falar, seremos felizes para sempre... oops, nem sempre!
esses dias minha flatmate polonesa estava querendo ser simpática e mostrar para minha mãe que ela já aprendeu algumas frases em português, foi quando ela falou no skype: "rosa é preguiçosa"... minha mãe deve ter pensado: "como assim, sou super dinâmica".

29 de dez de 2010

não sei porque motivo, mas às vezes lembramos de pessoas que não falamos há muito tempo em um momento cotidiano ridículo. hoje estava lendo um livro no trem e lembrei do A. (que vou preservar o nome para não elevar muito o ego desse cidadão).
A. é um irlandês que conheci um ano atrás, e sem mais delongas, me limito a dizer que A. ganhou um "a" no meu conceito após algumas semanas.
lembro que nos primeiros dias A. sequer me dava oi. de certo me achava estranha, ou não entendia meu inglês americanizado, ou na pior das hipóteses, me via como mais uma imigrante sem futuro colocando batata frita em um saquinho de plástico.
enfim, o tempo foi passando e A. foi se aproximando e descobrindo que temos mais em comum do que muita gente por aí, mesmo com nossos 6 anos de diferença.
ele, com seu jeito moleque, calça larga e tênis de skatista não me transmitia nada mais do que ser um típico adolescente irlandês que se deslumbra com uma lata de cerveja e uma menina bêbada de salto alto.
e eu, provavelmente era para ele uma brasileira chata com olhar desconfiado e com cara de poucos amigos.
até que veio o assunto literatura. "é isso que une o mundo" diziamos nós.
após a incrível descoberta de que eu já havia estudado o que ele estava descobrindo naquele momento foi mágico, pois passamos, desde então, a nos ver com outros olhos, com olhos de quem pensa com a alma e não apenas com a cabeça.
passamos horas, semanas, meses trocando idéias, informações, livros, poemas e tudo o que o mundo dos livros nos proporciona de encantador e percebi que por mais que ele fosse um "adolescente maluco" ele tinha por trás daqueles olhos azuis muito mais do que isso, e o mesmo da minha parte.
às vezes julgamos as pessoas sem conhecer a essência e hoje, por motivo desconhecido, a essência dele me veio à memória e uma de suas muitas frases: "não gosto de trabalhar com as mãos".

28 de dez de 2010

minhas flatmates me perguntam como eu consigo ser organizada com as coisas gerais da casa, as áreas em comum, mas tão desorganizada no meu quarto.
bem... simples explicação: o dia tem 24h, a semana 7 dias e eu tenho que me dividir entre empregos, estudos, leituras, festas, amigos e afins, cuidar de mim, falar com as pessoas do brasil, cozinhar, lavar, fazer compras... e por aí vai.
alguma coisa tinha que ficar para trás, né?!
e provavelmente quem me conhece desde sempre vai pensar "ela sempre foi desorganizada". bem, as pessoas mudam e agora eu sou semi-desorganizada, HA!
eu estou sempre limpando e arumando a sala/cozinha/banheiro... o meus trabalhos são baseados nisso em organização de brinquedos e armários... fico cansada só de pensar, então resolvo descansar e o meu quarto fica sempre para "amanhã".
mas sou apenas eu que vivo alí, meu cantinho bagunçado, porém limpo.

27 de dez de 2010


tirando porto alegre, eu não sei como é fazer compras em outras cidades, mas posso afirmar que em dublin é uma maravilha!
adoro as lojas aqui, pois não tem aquelas vendedoras chatas te seguindo em todos os cantos, nem perguntando o tempo todo se você precisa de ajuda, muito menos te olhando de cara virada se você experimenta 20 peças e não compra nada. que culpa temos se às vezes as coisas não nos caem bem por ser de uma confecção menor que o nosso corpinho sarado, em forma, enfim, corpinho.
aqui somos livres para escolher o que bem entender e se precisar, podemos perguntar sobre cores e tamanhos; as vendedoras estão ali, quietinhas (mas é como se não estivessem).
só achava meio difícil no início achar o tamanho ideal... as vezes é 6, 8, 34... geralmente experimento duas peças iguais em tamanhos diferentes, acho tudo muito diferente... coisas enormes e coisas minúsculas!
para comprar sutiã também é complicado... tamanhos com letras e números... e eu ficava olhando tudo aqui e  me perguntando "por que eu não trouxe do brasil?".
e agora, na época de liquidações, (e pense em liquidações em todas as lojas, t-o-d-a-s!) fica difícil resistir, ainda mais trabalhando no shopping.
se você não é consumista, não venha a dublin, pois provavelmente você se tornará uma!

25 de dez de 2010

A gente ficou aqui.

Meio sem rumo.

Comeremos, beberemos e daremos risadas (como sempre fazemos e faremos), e ainda assim, nosso Natal está meio incompleto.





22 de dez de 2010

por que é tão difícil encontrar o presente perfeito?
nessa época do ano é um corre-corre incrível em todas as ruas, todos os shoppings, todas as lojas... pessoas o tempo todo em busca do presente ideal para cada pessoa querida que queremos agradar.
esse ano meu número de presentes a serem comprados aumentaram de um para quatro. grande evolução em um ano não? 4 pessoas na lista de merecedores da minha preocupação e perca de sono pensando no que comprar.
enfim, na primeira tentativa que tive voltei para casa de mãos abanando, na segunda voltei com coisas para a casa e na terceira finalmente consegui achar algo bacana! confesso que era mais fácil quando eu acreditava que era o papai-noel o benfeitor.
será que todas as pessoas passam por isso ou eu, com meu signo de libra indeciso, que acho mega difícil?
muito fofo ver todos os presentes embaixo da nossa árvore de natal, mas e a pergunta que não quer calar: o que será que eu vou ganhar???
será que essas pessoas também tiveram o sono perdido pensando no que me dar e pensando se eu ia gostar ou não? talvez não. não é porque as outras pessoas são humanas que elas vão pensar como eu, certo?
por diversas vezes me perguntaram o que eu queria.. sempre tenho as mesmas respostas: um jato particular para ir e voltar do brasil sempre que quiser, um avião grandão que nunca acabe o combustível pra trazer a galera toda para passar o natal comigo, uma casa que se auto-limpe ou uma loja de sapatos.
não sei porque, mas nunca ninguém quis me dar isso...
acho que vou mandar uma carta para o papai-noel...
eu quando percebi já era tarde
os dias terminam com menos de 24h
e as pessoas andam aprisionadas em si mesmos
ninguém mais tem tempo
tempo apertado, tempo solto, tempo livre
consegue um minuto e segure o mundo
agora é a hora


não perca o tempo de vista

20 de dez de 2010

se tem uma coisa que eu sempre gostei foi natal
mas aqui o natal é diferente...
tem a questão de estar longe da família, dos amigos, longe de casa e de todas as delícias que a mãe prepara, sem contar nos 3 meses comendo panetone... mas nem é bom lembrar dessa maravilha!
mas a questão do 'diferente' esse ano está por conta da neve. está nevando bastante e faz com que aquelas bolinhas de algodão que colocávamos nas pontas dos pinheiros parecessem tão reais agora...

hoje fui fazer compras de natal, assim, não tem família, mas sempre tem uma amiga aqui, outra alí para presentearmos. acabou que a lista cresceu.
mas o que  n-u-n-c-a  tinha acontecido: voltei sem presente para as amigas, sem presente para mim, mas comprei milhares de presentes para a casa. sim, para a casa: enfeites, almofadas, velas, mais bolinhas para o pinheiro, as luzes, os papéis de presente (sim, eu ainda comprarei os presentes)!
acho tão legal essa coisa de todo mundo decorar as casas... não é apenas aquela coisa de pinheiro + enfeite na porta, é tudo: pinheiro, enfeite na porta, janelas, paredes, dentro, fora, mesa... acho isso incrível!
outra coisa muito interessante é a troca de cartões. e não é assim "ah, vou entregar o presente e um cartão", não! o cartão muitas vezes se torna mais importante que o presente. é o trabalho de escolher o cartão, escrever algumas singelas palavras, ir ao correio (lotadissimo diga-se de passagem) e enviar. nada disso de entregar pessoalmente como um preguiçoso.
na casa da Lis, uma das minhas chefes, tem uma estante só de cartões que ela recebeu, de vários cantos do mundo, de várias pessoas que ela conheceu e hospedou em sua casa (host family) e na creche que eu trabalho está tudo absolutamente decorado com coisinhas feitas pelas crianças... desde renas até papai noel, presentes, lareiras com as botinhas penduradas, uma graça!
a agora, olhando meu pinheiro, as luzes, todos os enfeites, tomando meu chá ao pé da janela, vendo a neve cair, só digo uma coisa: perfeito!

19 de dez de 2010

venho por meio desse blog pronunciar minha indignação com relação às pessoas legais  simpáticas demais.
sabe aquela pessoa super hiper mega ultra simpática e sorridente, que te trata extremamente bem, mesmo você fazendo questão de mostrar que não é simpática com qualquer um?
pois bem, trabalho com uma pessoa assim, over nice!
mas o problema não é a pessoa ser assim, e sim ela "se fazer" assim, ou pior, se fazer assim na frente de quem importa, tipo o gerente, por exemplo. mas pelas costas tem aquela cara de fuzilamento, saindo fumaça dos ouvidos, os olhos vermelhos de raiva por algum motivo que desconhecemos, mas que não deve ser coisa boa, não mesmo...
não tenho paciência nem motivos para gostar de pessoas assim, aí faço minha típica cara de paisagem
e segue o baile...

pra quem não sabe, vai aí um relato básico de uma 'amiga' de paisagem
video

13 de dez de 2010

esse blog anda muito abandonado por motivos óbvios: natal x trabalho
mas nesse corre-corre todo eu percebi uma coisa...
eu sempre reclamei que homem não repara na gente, mulheres vaidosas que estão sempre fazendo algo para melhorar o ego dia após dia
ledo engano, eles reparam sim, mas os comentários é que são impróprios, do tipo:
"ah pintou a unha, legal... mas prefiro verde"
"ah, fica melhor de cabelo solto"
"ah, não precisa se arrumar, vamos só tomar uma cerveja..."

tipo assim, sempre reclamam de algo que não está do agrado deles e quando peço 5 minutos para me arrumar ouço um "não precisa"... ah fala sério!
quando voltei do brasil ouvi um "ta gordinha heim". tudo bem, eu realmente estava, afinal, comida da mamãe não é sempre que tenho disponível, então aproveitei o máximo possivel.
ai esse final de semana ouvi da mesma pessoa uma espécie de elogio: "ah, você perdeu a barriga, que rápido"

alô??? que raio de elogio é esse???
não sabe dizer "está linda"?
a insensibilidade masculina me dá nos nervos!