31 de mai de 2011

eu não vivo de festa!
embora eu goste muito de uma saidinha básica, dançar e tomar umas com as amigas, eu não gosto de fazer isso o tempo todo.
já fui mais festeira e até mesmo mais cachaceira.
e também já fui mais nova, já tive mais energia para fazer festa de segunda à segunda, conciliando com trabalho, faculdade, cursos e academia.
aqui em dublin, não sei porque, as coisas mudaram... gosto de um pub calminho, uma ou duas cervejinhas e boas companhias. um restaurante simpático, comidinha gostosa e vinho.
hoje em dia eu prezo muito pelas noitadas de pipoca, doces e filminho no conforto da minha cama.
o que me incomoda é que algumas pessoas não entendem isso e ficam me questionando se está tudo bem.
é óbvio que está tudo bem e fica melhor ainda sem todo aquele blablabla de "por quê?"...

30 de mai de 2011

bem, acho que devido à foto que tenho aqui no perfil do blog, todo mundo sabe que sou uma mulher de óculos.
é, fazer o que, ninguém é perfeito nessa vida.
comecei a usar óculos quando tinha 16 anos e confesso que odiava isso muito, com todas as minhas forças. porque, como se não bastasse usar óculos, eu também usava aparelho nos dentes. era aquela fase que o corpo era desproporcional, o cabelo não sabia se queria ser liso ou cresço, o estilo não estava definido, e para completar a visão de horror, óculos e aparelho.
graças a deus não tenho fotos digitalizadas da época (sim, porque eu adoro me auto-destruir com fotos toscas)... então fica na imaginação dos meus fiéis leitores.
feiura superada, hoje em dia sou uma mulher que usa óculos, assumida e feliz assim.
desde que me assumi assim, quatro olhos, eu decidi não usar lentes e sim colecionar óculos. adoro demais!
vim pra irlanda com 3, que com o passar do tempo virou 1/2 (porque estava velho demais)... perdi um aqui outro ali, pronto! era hora de comprar tudo de novo.
e uma das coisas que a irlanda tem de bom são as ópticas. geralmente promoções de compre 1 leve 2.
fui em uma óptica, fiz o exame óptico por 15 euros e em 20 minutos tinha a receita em mãos. exame esse que foi extremamente profissional e explicativo, o médico me explicou absolutamente tudo.
depois disso, o problema era escolher as armações. aqui tem de todos os preços, variando de 59 à 400 euros. e pensando em qualquer preço, ainda assim fica barato comparado ao que eu pagava no brasil.

eis o resultado:


linda e com a visão além do alcance!
e faz de conta que eu vi aquela cerveja ali bem pequenininha...

29 de mai de 2011

há mais ou menos um ano eu fui contratada para ser cleaner em uma creche (vulgo faxineira).
fiquei super feliz com o emprego, estava precisando de dinheiro e isso me caiu como uma luva.
no dia da entrevista lá estava eu, tremendo mais que vara verde, quando veio uma mulher loira muito simpática, com um sotaque impecável e totalmente claro me explicando o que eu teria que fazer...
perguntei se não teria entrevista, outras candidatas e tudo mais. ela me disse que até tinha, mas como eu tinha sido indicada, ela ia contratar eu mesmo. o trabalho seria de segunda a sexta no final da tarde, mas ela me pediu que dispusesse de 3 ou 4 horas a mais nas segundas ou sextas...
perguntei para que e ela me responde: "quero você na minha casa".
me caiu os butiás do bolso! ela nem tinha visto o meu trabalho ainda e já me chamava para trabalhar na casa dela?
anyway, emprego aceito... na semana seguinte fui até a casa dela e ela me mostra todos os cômodos (uma casa de três andares) e me diz: "quero que você arrume os guarda-roupas das crianças".
pensei "não vou conseguir nunca, a mulher tem quatro filhos"!!!!
mas ela me aliviou um pouco e meu trabalho é cuidar dos pertences de três das quatro crianças, as três mais novas.
nesse caso, prefiro ser chamada de organizadora de lar, uma vez que faxina é o que eu menos faço.
por incrível que pareça, a casa dela é extremamente limpa e tem tudo para ser organizada; só não é por causa dos anjinhos. (que realmente são anjos, nem parece que tem crianças em casa às vezes).
então eu chego lá toda sexta-feira (até hoje) e organizo os brinquedos; coloco todos no lugar, dentro das caixas devidamente identificadas como: bonecas grandes, bonecas pequenas, carros, bonequinhos de ação, roupinhas de boneca, utensílios de cozinhas e etc...
organizo as roupas, passo, dobro e coloco nos guarda-roupas. organizo os sapatinhos, os quartos, os livrinhos e os infinitos bichinhos de pelúcia.
nessa casa, todo mundo tem tarefas... lavar/estender as roupas, aspirar a casa, cozinhar, tirar o pó... enfim... por isso não preciso ficar limpando tudo. faço o que acho necessário conforme vou vendo, mas sempre coloco foco nas crianças.
e o mais novinho, de dois anos, semana passada teve um papo muito sério comigo:

ele: o que você está fazendo?
eu: estou mopando o chão.
ele: precisa de ajuda?
eu: não, obrigada querido.
ele: acho que você não deveria fazer isso, porque eu posso escorregar e cair.
eu: é por isso que você vai ficar quietinho no sofá por 5 minutos...

e ele ficou mesmo!!!
aí muitas pessoas me perguntam se eu não me importo em ser essa "organizadora de lar" aqui, já que no brasil eu tinha tudo e mais um pouco. sinceramente, é um emprego digníssimo, onde os meus patrões tem extrema confiança em mim (o que me deixa muito feliz, tendo em vista onde estou), tenho flexibilidade de horários e evoluo meu inglês semana após semana com essas crianças fofas e abençoadas.

essa foto é de quando eu comecei.
hoje eles estão um pouquinho maiores

28 de mai de 2011

- de onde você é?
- do brasil...
- nossa, eu adoro o brasil!!
- o que você gosta?
- samba.
- eu não gosto.
- e futebol?
- também não...
- e carnaval?
- menos ainda!!!
- mas e a amazônia, é realmente muito bonita?
- não sei, nunca fui...
- tem certeza que você é brasileira?
- eu sou sim, você que está desatualizado do que realmente o brasil é.


e esse é o bendito diálogo que já tive e continuo tendo nos lados de cá.
o povo ainda acha que o brasil se resume a dança, putaria e futebol. não que isso seja um pensamento geral, mas é um número considerável de desinformados e isso me revolta profundamente.
eu não sei nada de país nenhum, mas também não saio por aí falando seus estereótipos aos quatro ventos.
mas revolta amenizada, como vou culpar esses seres por pensarem assim se a cada canto da irlanda (pra não dizer no mundo) tem um grupo de brasileiros com bola, pandeiros, cavaquinhos e 'moças' se requebrando até o chão?
mais fácil ganhar cidadania irlandesa do que convencer o mundo que brasil é mais do que isso...

27 de mai de 2011

dizem que quem aprende a andar de bicicleta nunca esquece.
de repente até é verdade isso... mas e porque eu tinha que comprovar por mim mesma?

Formentera, Ibiza
ano passado comprei uma bicicleta, dessas bem simples e pequena, pois tenho pânico de não conseguir encostar os pés no chão.
medos à parte, passei o verão todo andando para cima e para baixo, faceira com o sol brilhando e vento no cabelo.
mas como tudo na vida é passageiro, o verão acabou e eu abandonei a coitadinha nos fundos de casa.
afinal, eu não queria o prêmio de "corajosa do ano que pedala todos os dias na neve".
e hoje, cá estamos no veranico de dublin aproveitando o sol e as temperaturas quentes amenas.
voltei a pedalar para economizar dinheiro, poluir menos o meio ambiente e fazer um exerciciozinho básico né. até porque, por melhor que a genética seja, não é forte o suficiente para resistir à todas as bobagens que venho comendo por aqui.
só não sei porque ninguém me tira de cima da bicicleta... os meus amigos não tiram porque gostam de mim (ou por amor à vida deles), mas o povo na rua bem que está pensando em pagar o meu passe do ônibus e a academia para fazer eu desistir dessa idéia maluca de ciclista.
é um buzina-buzina, um grita-grita, um xinga-xinga que nunca vi igual.
nem sei do que estão reclamando, afinal, pedalo ouvindo música mesmo...

eu heim, povo doido!

26 de mai de 2011

porque tem coisas que eu gosto. e coisas que eu não gosto. e algumas - duas ou três - que eu detesto. que nada nunca foi fácil. e que nada e nunca não faz parte de mim. assim como a dúvida me irrita. dúvida deveria ser extinguida da vida dos cidadãos de bem. e aos cidadãos de mau não desejo nada, nem mau. e que já que tudo tem seu preço, o preço de mim é a saudade. o preço da minha felicidade. que se torna tortura sempre que lembro de casa. e que o conceito de casa é relativo, já que aqui eu tenho uma casa. mas queria aquela casa de sempre. e para sempre. e alguém me disse que para sempre é muito tempo. e que tempo é dinheiro. e que dinheiro não preenche espaço vazio. e nesse espaço cabe amor. amor esse que não conheci. ainda.

25 de mai de 2011

.
.
.

não interessava a mim quem estava a nos olhar
nem o motorista do ônibus que que se dispôs a esperar,
tão pouco a chuva fria que nos molhava rapidamente.
só queria continuar sentindo aquele abraço
que parecia durar para sempre
mas que não passou de 15 segundos
de dor e lágrimas.
adeus...

.
.
.

23 de mai de 2011

e o que fazer quando a insônia insiste em manter os olhos estalados na calada da noite?


leremos:




InsóniaNão durmo, nem espero dormir. 
Nem na morte espero dormir. 

Espera-me uma insónia da largura dos astros, 
E um bocejo inútil do comprimento do mundo. 

Não durmo; não posso ler quando acordo de noite, 
Não posso escrever quando acordo de noite, 
Não posso pensar quando acordo de noite — 
Meu Deus, nem posso sonhar quando acordo de noite! 

Ah, o ópio de ser outra pessoa qualquer! 

Não durmo, jazo, cadáver acordado, sentindo, 
E o meu sentimento é um pensamento vazio. 
Passam por mim, transtornadas, coisas que me sucederam 
— Todas aquelas de que me arrependo e me culpo; 
Passam por mim, transtornadas, coisas que me não sucederam 
— Todas aquelas de que me arrependo e me culpo; 
Passam por mim, transtornadas, coisas que não são nada, 
E até dessas me arrependo, me culpo, e não durmo. 

Não tenho força para ter energia para acender um cigarro. 
Fito a parede fronteira do quarto como se fosse o universo. 
Lá fora há o silêncio dessa coisa toda. 
Um grande silêncio apavorante noutra ocasião qualquer, 
Noutra ocasião qualquer em que eu pudesse sentir. 

Estou escrevendo versos realmente simpáticos — 
Versos a dizer que não tenho nada que dizer, 
Versos a teimar em dizer isso, 
Versos, versos, versos, versos, versos... 
Tantos versos... 
E a verdade toda, e a vida toda fora deles e de mim! 

Tenho sono, não durmo, sinto e não sei em que sentir. 
Sou uma sensação sem pessoa correspondente, 
Uma abstracção de autoconsciência sem de quê, 
Salvo o necessário para sentir consciência, 
Salvo — sei lá salvo o quê... 

Não durmo. Não durmo. Não durmo. 
Que grande sono em toda a cabeça e em cima dos olhos e na alma! 
Que grande sono em tudo excepto no poder dormir! 

Ó madrugada, tardas tanto... Vem... 
Vem, inutilmente, 
Trazer-me outro dia igual a este, a ser seguido por outra noite igual a esta... 
Vem trazer-me a alegria dessa esperança triste, 
Porque sempre és alegre, e sempre trazes esperança, 
Segundo a velha literatura das sensações. 

Vem, traz a esperança, vem, traz a esperança. 
O meu cansaço entra pelo colchão dentro. 
Doem-me as costas de não estar deitado de lado. 
Se estivesse deitado de lado doíam-me as costas de estar deitado de lado. 
Vem, madrugada, chega! 

Que horas são? Não sei. 
Não tenho energia para estender uma mão para o relógio, 
Não tenho energia para nada, para mais nada... 
Só para estes versos, escritos no dia seguinte. 
Sim, escritos no dia seguinte. 

Todos os versos são sempre escritos no dia seguinte. 
Noite absoluta, sossego absoluto, lá fora. 
Paz em toda a Natureza. 
A Humanidade repousa e esquece as suas amarguras. 
Exactamente. 
A Humanidade esquece as suas alegrias e amarguras. 
Costuma dizer-se isto. 
A Humanidade esquece, sim, a Humanidade esquece, 
Mas mesmo acordada a Humanidade esquece. 
Exactamente. Mas não durmo. 

Álvaro de Campos, in "Poemas" 
Heterônimo de Fernando Pessoa

22 de mai de 2011

às vezes sou sabotada por minha própria preguiça!
faz pelos menos umas duas semanas que tem um vídeo rolando desenfreadamente pelo facebook e eu não me dei ao trabalho em assistir, pois sou preguiçosa e confesso que o título não me chamou a atenção.
o que você pensa quando lê a palavra "oração"?
pois bem, eu pensei ser mais um daqueles vídeos de auto-estima, de que jesus salva e tudo mais. 
sou católica de batismo e de catequese, mas bem longe de ser católica fervorosa. e confesso que o fato de uma "oração" estar rolando de pessoa em pessoa (das quais sabia não estarem nem aí para religião alguma) nem me instigou a assistir o tal vídeo.
eis que lendo um dos blogs que sempre leio tinha um post com o dito cujo e dizia:


tem coisas que me comovem de verdade, uma delas são os vídeos estilo ‘la blogotheque’, onde você não só ouve a música, você sente todo clima por trás dela, da banda, do momento.


como não se interessar agora? assisti ao vídeo inteiro, pelo menos umas três vezes... e a pensar na alegria e na emoção que essas pessoas nos passam e a letra que diz tudo em poucos versos, considero esse grupo fantástico.
a partir de então, comecei a assistir todos os vídeos deles no youtube e confesso ter gostado de muitas outras músicas.
deixarei meus queridos leitores uma mostra do que é... e espero que vocês gostem.


video


ps: o blog mencionado acima chama-se 'Eu queria ter uma bomba'. Você pode acessá-lo clicando aqui.

20 de mai de 2011

bem... noticias rolam pelo mundo a fora, e todo mundo está careca de saber que a rainha Elizabeth II passou uns dias aqui em dublin durante essa semana. mas o que muitos não sabem é o inferno caos que foi essa visita. (no meu ponto de vista).


essa senhorinha com cara de simpática simplesmente parou dublin. e quando digo parar, é parar mesmo. (e olha que em um ano e meio só tinha visto dublin parar em função da neve!).
durante quatro dias, a segurança de dublin contou com cerca de 8.500 policiais. e aí eu pergunto, precisava tanto?
as ruas da cidade, por onde a rainha passaria, foram fechadas e só reabertas após sua passagem. o comércio localizado nessas ruas também foram fechados.
no primeiro dia, fiquei 1h esperando a barreira abrir para eu ir trabalhar. estresse a parte, fiquei sentada comendo uma maça (porque pra matar estresse, basta comer). cheguei atrasada no trabalho, e que por consequência disso, saí mais tarde e perdi o compromisso que tinha após o trabalho.
no segundo dia fiquei presa dentro do ônibus, novamente indo trabalhar, por cerca de 15 minutos. o resultado vocês já sabem né...
no terceiro dia fiquei espantosamente feliz, não me atrasei, não tinha barreira alguma e todos seguiam seu percurso normalmente. mas como felicidade de pobre acaba rápido, tive que esperar a barreira abrir quando voltava para casa.
ironia do destino, azar ou teste de paciência... saí do trabalho mais cedo, para chegar em casa mais cedo e fazer mil coisas que tinha deixado pendente desde o início da semana. resultado: meia hora presa dentro do ônibus, de novo!!

assim como eu, centenas de pessoas ficara presas, escoradas nas grades das barreiras, muitas foram revistadas por conta de alguma bolsa, objeto ou ato suspeito, muitas pessoas não conseguiram trabalhar.
ai alguém pensa que aquele povo todo estava lá exclusivamente para ver a rainha passar dentro de um carro preto acenando como miss para todo mundo.
oi? a gente só queria atravessar o rio!!!
além de muitos protestos, algumas bombas largadas ao léu e alarmes falsos, muita gente achava essa visita totalmente desnecessária. a irlanda tem problemas com a inglaterra não é de hoje e por conta dessa visita de 'paz' as ruas de dublin foram tomadas de irlandeses revoltados protestando com cartazes (ou em casos extremos queimando latas de lixo ou qualquer coisa no meio da rua).
eu, até então não estava nem aí para ela, afinal, ela nem sabe que eu existo e ver ela, sinceramente, não acrescentou muita coisa na minha vida. no fim ferrou atrapalhou 3 dos meus dias e fez a irlanda ter um gasto estimado em 42,4 milhões de dólares em segurança. acho esse um valor um pouco grande, tendo em vista a situação financeira do país.

e para aqueles que pensavam que teriam suas vidinhas pacatas de volta após o retorno da rainha à inglaterra, se engana muito. esperemos o Obama!




17 de mai de 2011

todos temos dias e dias, e hoje é um daqueles.
voltando do trabalho vi um casal apaixonado trocando carinhos e abraços.
era um casal irlandês, os dois branquinhos, mais ou menos da mesma altura, com uma sincronia de olhares e sorrisos invejáveis a qualquer ser humano,
mas uma invejinha boa, de querer sentir aquilo também.
aqueles olhos não viam nada além de paz e carinho;
aqueles corações não sentiam nada além de amor e cumplicidade;
aquelas mãos não seguravam mãos, e sim acariciavam uma alma.
aquelas almas eram uma só
pois estavam fazendo mais do que amar,
estavam enfrentando o mundo...


estavam juntos, unidos por algo maior do que o que se pode ver...

16 de mai de 2011

dizem as más línguas por aí que tudo comigo é com emoção
mas emoção a ponto de quase perder o voo para a viagem tão sonhada já é demais né?




I- da correria:
as piores idéias geralmente são minhas, assim como a de virar a noite acordada para não correr o risco de dormir, não acordar e perder o voo. bem, e como meu amigo murphy nunca me abandona, o plano deu errado e foi o que resultou numa corrida quase sem fim aeroporto a dentro até o portão de embarque; e como se isso não fosse muito, ainda tivemos que ouvir uma leve piadinha do rapaz do guichê rindo da nossa cara de desesperados.

II- das coisas que só se vê viajando:
conhecemos um rapaz cujo sobrenome é buceta. ah, que feio eu usando palavrão nos posts né? nem tanto, se é sobrenome não é palavrão. imagina alguém perguntando "onde está o sr buceta?". é, tenso assim mesmo, mas rendeu boas risadas.

III- do mar:
nunca vi água tão azul e tão cristalina antes, além das fotos de viagem, óbvio.
a sensação era sempre de estar olhando uma foto melhorada por photoshop, mas não, é real!

IV- da paz:
viajar sempre me faz bem, pode ser até aqui do lado. mas dar uma pausa na rotina chata é um alívio imenso e renova a alma para começar tudo de novo. e agora trabalho visualizando notas de 20 euros em cada rosto que vejo. me faz sorrir fácil.
e sem falar que dirigir, além de relaxar, me deixa a pessoa mais feliz do mundo (menos quando as pessoas atravessam a rua sem olhar para os lados e o motorista que freie, se quiser).

V- da companhia:
amigo é para todos os momentos... até mesmo aqueles momentos infinitos de silêncio onde a gente entende porque disso tudo sem falar nada e consegue aproveitar cada minuto em um êxtase supremo e inexplicável.

8 de mai de 2011

5 de mai de 2011

gosto muito do novo,
e a descoberta de hoje foi:



em ritmo de férias
congeminardo latim congemino
retirar-se para o mundo da imaginação;
ficar absorto dos próprios pensamento;
meditar, cismar, refletir;
devanear, pensar...




então minha gente, 
congeminemos!
palavras não me convencem.
nem palavras, nem olhares baixos, nem sorrisinhos falsos!

as pessoas, ou são muito burras ou acham que eu sou burra. às vezes chego a pensar que determinadas coisas não estão acontecendo, que talvez seja tudo fruto da minha imaginação.
as pessoas não ligam mais para saber como estamos, ligam para saber onde estamos;
não ligam para dar boa noite, ligam para se certificarem de que realmente estamos em casa, indo dormir;
as pessoas falam de outras pessoas o tempo todo em uma língua que ninguém entende, mas quando é do interesse deles que nós saibamos algo, falam imediatamente em uma língua universal;
as pessoas falam que são isso e aquilo, quando na real são assim e assado;
dizem que vão fazer e acontecer, quando na realidade não saem da estaca zero;
as pessoas reclamam das atitudes alheias, mas e por acaso essas pessoas tem a tal da atitude?;
alguns vivem em um mundo paralelo, onde tudo o que acontece fora da sua mente doentia é errado;
alguns vivem de olhos fechados e exigem que eu feche os meus também;

algumas pessoas vivem, outras... bem, tem as que vagam perdidas por aí sem saber a quem atacar.

3 de mai de 2011

revolta do dia:

- você não está sorrindo!
- vou sorrir pra quem, pro ketchup?
  essa é a única coisa que vejo na minha frente nesse momento...
- pode ser, e porque não?
- vai ver porque ele não me diz oi, muito menos sorri de volta!

#cansadadessagentedoida

2 de mai de 2011

na minha aula de business foi discutido quais produtos criados nos últimos tempo foi o melhor, mais útil e eficaz.
90% da classe respondeu que sem dúvida a melhor invenção foi o smartphone.
eu que tenho um celular pré-histórico que nem vibra, nem me manifestei muito né (apesar de que sim, esses brinquedinhos são uma maravilha).
aí veio a colega do contra e respondeu "o sabão em pó que não mancha as roupas claras'
todo mundo olhou para ela com uma cara de "oi?"
então ela explicou que também gosta de tecnologia e desses brinquedinhos modernos que nos consomem todo o tempo 'livre' para ficar brincando, jogando, fuçando na internet e tudo mais; e que ela tinha muito mais tempo para essa tecnologia toda depois que ela descobriu o sabão em pó que não deixa as roupas coloridas mancharem as roupas claras. que ela joga tudo junto na máquina com esse pozinho mágico e em 5 minutos está livre das roupas por pelo menos 2h, que é o tempo de lavagem.
sem essa de ficar separando tudo por cores, ligando a máquina umas 3x e perdendo tempo em separar.

maravilhas a parte, eu não usei o tal sabão em pó, e sei eu lá como (cof cof), meu vestido novo verde agora tem manchas vermelhas...
das duas uma: ou eu aprendo a comprar sabão em pó, ou vou passar a vida comprando vestidos novos...
dificil né?