11 de abr de 2011

algumas pessoas (para não dizer a maioria) conseguem descrever o sentimento de paixão como uma alegria incondicional; dizem que possuem borboletas no estômago, que conseguem ver tudo em registros cinematográficos na mais pequena banalidade dos seus atos. 
dizem ser uma ardência na alma fazendo com que todos os pêlos se arrepiem com apenas um olhar e que as palavras se fazem desnecessárias por conseguirem ouvir o pensamento um do outro.
e dizem mais, dizem ser uma forte vontade de estar junto, de suar junto e dormir cansados.
a maioria dessas pessoas apaixonadas veem, sentem, ouvem tudo em cores reluzentes.





para mim é um estado de transição. é como andar de roda gigante, com altos e baixos onde ora tocamos as estrelas ora tocamos o chão. e muitas vezes o tocar o chão é um momento bem mais prolongado do que se consegue imaginar.
é uma eterna luta - pois achamos que isso nunca vai acabar - tentando se desvincular dessa coisa devastadora que invade nosso corpo e mente, e o pouco tempo que sobra fingimos que nada está acontecendo (embora o colorido tenha se apagado em bege).
apaixonar-se é chorar até cair no sono e deixar a alma esvaziar; "é em alguns momentos planear o futuro e noutros ver que não há futuro nenhum; é estarmos tão certos do que é e logo a seguir tudo desvanecer em cinza. é fingir que é o mais perfeito que nos pode acontecer, quando na realidade não existe rigorosamente nada mais imperfeito."

e é nesse momento que deixamos de estar apaixonados para começar tudo de novo, em outro dia, com outra pessoa e com novas cores.

não é?

Um comentário:

lauragoup disse...

nossa cris que lindo!!! tu escreve muuiiito bem, é com a alma! x)

obs: te adicionei nos meus favoritos e to te seguindo! AMEI