31 de ago de 2009

Há dias venho desgastando minhas idéias tentando imaginar o porquê de dividir o tempo em anos, meses, dias e horas... Com certeza quem fez isso não tinha nada programado para fazer.





O tempo do lado de cá parou, parou bem do meu lado. Puxou o freio de mão e recusou-se a engatar a primeira. Diz ele que não tem permissão comprovada para passar correndo por mim para aliviar minha angústia.
Está estagnado, como um dois de paus (como diria minha avó, e seu lá eu o que isso significa), mas enfim... Não suporto mais a idéia de abrir a janela as onze da manhã na esperança de que o dia passe por ela e me jogue um beijo no ar; mas que beijo que nada, ele pessa lentamente rindo da minha cara e ainda diz: "idiota, falta muito ainda, sossega".
Ele brinca comigo, cada segundo dura um minuto e o dia é uma eterniadade.
Encho-me de esperança ao pensar em semanas, restam cinco... Mas desanimo ao pensar em dias, restam 31. Se pensar em horas, desisto dos sonhos e decido continuar na vida de sala de aula, ah, e lá o tempo não anda mesmo!
Engraçado que quando estou bebendo o tempo passa por mim que nem vejo, só percebo que ele passou quando já estou bêbada. Vida boêmia e o "esperar" são inimigos mortais do tempo...
Voa tempo, voa...

.

.

.

.

Marília Pera - Elas cantam Roberto... Sobre o tempo:

http://www.youtube.com/watch?v=yjxB0o7ngrI

Nenhum comentário: