3 de abr de 2010

Diz a "regra" que o jogo acaba quando a rainha morre.
Sem recorrer aos tabuleiros de xadrez, mas... Se não se importarem, aqui vou eu brincar de ser do contra.
Quero implicar mais uma vez com o que já foi estabelecido.
Se queres ver uma mulher quebrando a cara, prove-a estar errada.
Mas prove literalmente! Bata no peito e defenda suas idéias.
Digamos que nós mulheres estaremos dispostas a ser o teu objeto de estudo.
Sabe o que é? A regra acima comigo não obteve sucesso. Nem aqui e nem nas três gerações passadas.
Vai ver seja pelo fato de eu vir de um time de rainhas flexíveis. Rainhas que fizeram hidratante da lama encontrada no fundo do poço.
Rainhas com força de um exército todo e capazes do que pra ti, pode ser impossível.
E eu não falo só de repartiçoes de pães, controle de personalidade ou de sorrisos altamente convincentes que disfarçam o cansaço.
Falo das mulheres coroadas e bem resolvidas. Que não se escondem atrás de imagens, mas de muito bem com o espelho.
Eu falo dessa realidade.
E tá vendo o histórico aí? Serve de aviso prévio.
Muito cuidado ao enfrentar alguma dessas rainhas.
Se não demonstram fraquezas é porque simplesmente não possuem.
Se uma delas se render, não dê as costas tão rapidamente.



Rainhas também aprenderam a se fingir de mortas.

seis meses de Irlanda...

Nenhum comentário: