24 de jul de 2010

esses dias me peguei superlotando meu coração com sentimentos que me trouxeram dúvidas...
mas o amor não admite dúvidas! e realmente não estou falando de relacionamentos conjugais.

oops, a página foi virada!
foi criado o mais novo e bem elaborado kit de salvamento, por mim obviamente.
e para evitar que venham citar o teor de ceticismo e frieza contida na estratégia eu apresento o outro lado da moeda, todo o histórico vivido e que me fez chegar até aí.
são algumas porções de passos em falso, convivendo com pessoas desnecessárias e algumas situações de dedicação jogadas no lixo. foram meses de tentativas, idas e vindas, falhas, (im)paciência, prazos, calmantes, choro, tempo... enfim, todo o capítulo 10, intitulado "mais uma experiência", da minha auto-biografia.
a minha doce tragédia que com muito esforço, hoje, não se cria mais aqui dentro de mim; as raízes foram arrancadas por calos muito bem desenvolvidos.
mesmo ciente da minha vulnerabilidade diante do acaso, do destino, do futuro, eu tomo a minha dose diária de prevenção quando me desprendo das expectativas de verdadeiras palavras e atos.
eu continuo a viver com paixão, no entanto com muito mais equilíbrio nessa nova composição.
eu continuo achando algumas pessoas interessantes, porém não fico mais idealizando a performance delas na minha vida.
já não perco mais tanto tempo em prol de pessoas vazias e menos ainda engulo sapos, jacarés e até os grandes dinossauros pelo receio de ser vista como uma bruxa.
eu não me tornei um ser independente do calor, da sinceridade, da amizade e de tudo aquilo que possa parecer romântico e puro, eu simplesmente parei de agir com tanta devoção aos não devotos de mim.
agora eu consigo trabalhar com a idéia de que as "coisas" podem e talvez até devam ter o seu tempo determinado. e que eu sim, preciso viver feliz pra sempre, até que a morte me separe do mundo real.
logo, não precisas desistir da idéia de tentar consertar os teus erros comigo. algumas pessoas passam a não mais fazer parte dos meus planos pois agora o relacionamento que tenho comigo mesma é algo inabalável. você precisará de muita força para me alcançar, afinal, todos dizem que sou forte. E por que não ser?
tudo começa mais de uma vez, e agora começa tudo de novo...


" A ousadia é, depois da prudência, uma condição especial da nossa felicidade." Arthur Schopenhauer

Um comentário:

tai disse...

Mesmo se eu nao tivesse visto no seu blogger esse texto, eu saberia que seria seu....é muito vc oq escreveu!