13 de jan de 2013

é engraçado tentar fazer as mesmas coisas que eu costumava há alguns meses.
o café, meu aliado mais fiel agora me trai constantemente. não tem o mesmo sabor, nem o mesmo aroma... mesmo que muitos digam que o daqui é melhor. já não tenho mais o hábito de tomar muitas xícaras durante meu dia. uma abstinência que me mata a cada momento.
o clima é diferente, não carrego casaco, nunca. até o fazia no início, mas percebi que estava sendo tola ao levar o acompanhante desnecessário à tira colo. o calor me sufoca, não me deixa agir, ou pensar, ou correr... não tem para onde fugir.
as músicas... me arrependi da única vez que ouvi rádio, e às vezes me pego ouvindo músicas que um dia achei que estava enjoada. a boa e velha mpb sempre me acompanhou, mas isso é uma história muito a parte.
ando pela casa lembrando daquela que me pertenceu por um bom tempo. as paredes são diferentes, as janelas são grandes, a porta está sempre fechada e o silêncio impera. silêncio? nem lembrava mais o que significava isso. uma paz completamente desnecessária para o momento.
nunca mais fiquei horas pendurada no telefone... nunca mais precisei desesperadamente carregar o celular... esse por sinl, praticamente não toca.
a cerveja quase não bebo. sinto falta daquela preta me muito me acompanhou. que me aguentou, que me ajudou e que me derrumou... 
pegar o sol do meio dia nunca mais será possível. nem sentar no banco da praça para almoçar aquele baguete de frango apimentado. as bebidas vão no freezer e não na janela. no natal não tem neve. a família que escolhi está espalhada pelo mundo, anjos que chamo de amigos. aquelas festas estranhas me muita falta e voltar a pé para casa é algo que jamais farei aqui.
estou rodeada de saudade de coisas bobas que fazem toda a diferença. ausências transbordando para fora do meu peito...

2 comentários:

Anônimo disse...

Estou por esses lados há pouco mais de um ano, e essas memórias, sim memórias apenas, estão cada vez mais vivas. Tudo está cada vez mais longe no passado, mas cada vez mais próximo na memória, no sentimento. É difícil acordar pra realidade. Não sei se um dia me sentirei em casa como me sentia lá.At least we know, that that's a heaven above us and we've been there. Have an enjoyable time my friend.

Julio from Top Floor

AnaZortea disse...

ahh, a volta...sempre a parte mais complicada.
(poder voltar a pé pra casa, minha maior saudade no momento)