4 de mar de 2010



Despedidas são dias cinzentos prevendo chuva
A chuva que escorre de nossos olhos por um longo tempo
O abraço forte para proteger do vento (que nunca chega)
É como se o instinto protetor fosse maior que tudo
E que a vontade de nos ver sorrindo torna-se constante
Meigos olhos fechados e pálida face
No profundo âmago, a solidão
"um frio que suplica um aconchego"

Nenhum comentário: